Mordomo do papa promete cooperar em investigação

Paolo Gabriele, o mordomo do papa preso em um dos maiores escândalos do Vaticano em décadas, prometeu cooperar com a investigação envolvendo o vazamento de documentos, a corrupção e as intrigas dentro da Santa Sé, disse nesta segunda-feira o advogado dele.

AE, Agência Estado

28 Maio 2012 | 11h14

A promessa dele de ajudar os investigadores aumenta a expectativa de que prelados do alto escalão podem ser nomeados no escândalo sobre o vazamento de correspondências confidenciais do Vaticano que trouxe à tona as lutas pelo poder e as rusgas dentro dos mais altos níveis da Igreja Católica.

Gabriele, mordomo pessoal do papa desde 2006, foi preso na última quarta-feira após documentos serem encontrados no apartamento dele na Cidade do Vaticano. Ele permanece em custódia em uma prisão no Vaticano sob suspeita de roubo. As informações são da Associated Press.

Mais conteúdo sobre:
Vaticano vazamento mordomo investigação

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.