Morre a 29ª vítima em protestos contra o governo na Venezuela

Policial da GNB foi baleado em Maracay, a 100 km de Caracas; governador lamenta morte

O Estado de S. Paulo,

17 de março de 2014 | 14h31

CARACAS - Um capitão da Guarda Nacional Bolivariana (GNB) morreu nesta segunda-feira,17, baleado na cidade de Maracay, no Estado de Aragua, a  cerca de 100 quilômetros a oeste de Caracas, durante os protestos pró e contra o governo. O policial foi identificado como José Guillén. 

"Nesta madrugada falece em Aragua o capitão de nossa GNB  (por um) tiro na cabeça. Outra vítima da violência terrorista", disse general Vladimir Padrinho, chefe do Comando Estratégico Operacional (CEO) da Força Armada Nacional Bolivariana (FANB).

Com essa morte já são 29 as vítimas nos protestos a favor e contra o governo do presidente Nicolás Maduro, que começaram no mês passado.

A Venezuela vive desde então uma onda de protestos diários contra as políticas de Maduro que em alguns casos geraram atos de violência que deixaram mortos e feridos entre ativistas de ambos os lados, alguns passantes e policiais.

Guillén é o segundo oficial da GNB a morrer em Aragua. Na semana passada morreu nas mesmas circunstâncias de violência associada aos protestos o capitão da GNB Ramzor Ernesto Bracho.

O governador do Estado, Tareck El Aissami, elogiou Guillén por meio de sua conta no Twitter. "Foi um extraordinário soldado, trabalhador, incansável, um revolucionário autêntico e amante da paz", declarou. / EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.