Morre a ministra das Relações Exteriores sueca

A ministra de Relações Exteriores da Suécia, Anna Lindh, morreu nesta quinta-feira, um dia depois de ter sido esfaqueada na capital do país, Estocolmo. "A Suécia perdeu um de seus mais importantes representantes", afirmou o primeiro-ministro da Suécia, Goran Persson, ao anunciar a notícia. Uma das maiores defensoras da entrada da Suécia na zona do euro, Lindh foi atacada por um homem, ainda não identificado, quando estava fazendo compras em uma loja no centro de Estocolmo.A ministra, que recebeu facadas no peito e no abdômen, foi levada ao hospital, mas não conseguiu resistir à hemorragia interna causada pelos ferimentos, segundo informações do próprio hospital. Ainda de acordo com o hospital, a faca perfurou tecidos do fígado e muitos dos vasos sanguíneos do abdômen.ReferendoO ataque ocorreu às vésperas do referendo no qual a população sueca deverá decidir se o país vai adotar o euro, a moeda única européia. A ministra era uma das líderes da campanha do governo para a adoção da moeda única. No entanto, apesar dos esforços do governo, pesquisas feitas antes da morte de Lindh ? uma das políticas mais populares da Suécia ? indicavam uma alta rejeição popular ao euro. O homem que atacou Lindh fugiu e ainda não se sabe se o ataque teve alguma motivação política. Esse é o segundo assassinato político na Suécia desde 1986, quando o então primeiro-ministro Olof Palme foi morto também em pleno centro de Estocolmo, em um crime ainda não solucionado. Apesar disso, à exceção do primeiro-ministro Persson, políticos na Suécia raramente andam acompanhados de guarda-costas. Ministra de Relações Exteriores da Suécia desde 1998, a social-democrata Anna Lindh era casada e tinha dois filhos. As informações são do site da BBC.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.