Thomas Mukoya/Arquivo/Reuters
Thomas Mukoya/Arquivo/Reuters

Morre a vencedora do prêmio Nobel da Paz, a queniana Wangari Maathai

Queniana, premiada por sua luta promover um 'desenvolvimento ecológico, lutava contra um câncer

EFE

26 Setembro 2011 | 09h08

A ativista queniana Wangari Maathai, ganhadora do Prêmio Nobel da Paz 2004, morreu em decorrência de um câncer, anunciou nesta segunda-feira, 26, o movimento que ela fundou, o Cinto Verde.

 

Maathai morreu no domingo, aos 71 anos, no hospital de Nairóbi após uma valente e prolongada luta contra o câncer, acompanhada de parentes, informou o organismo em seu site.

 

"A morte de Maathai é uma grande perda para todos os que a conheciam e para quem admirava sua determinação para fazer um mundo mais pacífico, mais saudável e um lugar melhor", acrescentou.

 

Maathai, que tinha três filhos e uma neta, foi uma das primeiras mulheres de África Ocidental com uma cátedra universitária, com um doutorado em Biologia.

 

Em 1977 fundou o Movimento Cinto Verde, um dos programas de mais sucesso de proteção do meio ambiente, graças ao qual se plantaram no Quênia 20 milhões de árvores, sobretudo por mulheres.

 

Em 2004, quando o Comitê Nobel de Oslo anunciou a concessão do prêmio a Maathai destacou sua posição "à frente da luta para promover um desenvolvimento ecológico, que seja viável socialmente, economicamente e culturalmente, no Quênia e na África".

 

O organismo ressaltou que Maathai teve uma aproximação global ao desenvolvimento sustentável que "abraça a democracia, os direitos humanos e em particular os direitos da mulher".

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.