REUTERS/Andres Stapff
REUTERS/Andres Stapff

Morre aos 22 anos a cadela Manuela, de José Mujica

Ela ficou famosa por acompanhar o ex-presidente uruguaio em entrevistas e atos protocolares

O Estado de S.Paulo

07 Junho 2018 | 21h33

MONTEVIDÉU - "Manuela", a cadela do ex-presidente uruguaio José Mujica, que o acompanhava em entrevistas e atos protocolares, morreu nesta quinta-feira (7), noticiou o telejornal local Subrayado.

A cachorrinha tinha 22 anos. Ela havia perdido uma das patas após ser ferida em um acidente com o trator que Mujica dirigia na chácara que ele e sua mulher Lucía Topolansky, hoje vice-presidente, mantêm em Rincón del Cerro, 30 minutos a oeste do centro de Montevidéu.

Topolansky disse em entrevista a uma revista que Manuela não perdeu a pata logo após o acidente. Mas, durante uma briga, uma cadela mordeu a parte lesionada - o que acabou levando à amputação do membro quando ela tinha entre 8 e 9 anos.

Segundo o deputado Daniel Placeres (MPP), que mora na chácara de Mujica há mais de dez anos, a cadelinha tinha 22 anos. 

"Manuela" ficou famosa ao aparecer na casa de Mujica em entrevistas concedidas pelo então presidente (2010-2015) e por acompanhá-lo em atos protocolares e eventos sociais, durante os quais ficava sempre ao lado dos donos.

Ela tinha, até mesmo, vídeos no Youtube que diziam, em tom de brincadeira, que doava 90% de sua ração a outros animais, em alusão à doação de parte do salário presidencial que Mujica fazia. A cadelinha também tem uma conta não oficial no Twitter.

Mujica contou em 2015 à BBC que "Manuela" foi "o integrante mais fiel" de seu governo. Segundo o telejornal, o corpo foi enterrado na chácara de Mujica e Topolansky. / AFP

Mais conteúdo sobre:
José Mujica Lucía Topolansky cachorro

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.