Morre arcebispo acusado por falência fraudulenta de banco

Morreu no Arizona nesta terça-feira, o arcebispo Paul C. Marcinkus, um prelado dos Estados Unidos e ex-chefe do banco do Vaticano, que foi ligado a um grande escândalo bancário na Itália no começo da década de 80A porta-voz diocesana Mary Jo West afirmou que Marcinkus, de 84 anos, foi encontrado morto em sua casa em Sun City na manhã desta segunda-feira e acrescentou que não tinha maiores informações sobre a morte do arcebispo. O Vaticano informou que não tinha comentários no momento.Marcinkus nasceu na cidade de Cicero, em Illinois, um subúrbio étnico de Chicago, e era filho de um imigrante lituano.Em 1990, ele se aposentou, depois de uma carreira de 40 anos no Vaticano, sendo 20 deles como presidente do banco do Vaticano, e foi para Chicago para fazer trabalhos pastorais. Ele passou seus últimos anos no Arizona onde continuou no ministério sacerdotal.Três anos antes, os magistrados italianos emitiram um mandado de prisão para Marcinkus quando sondaram o colapso do Banco Ambrosiano em 1982, após o desaparecimento de US$1.3 bilhões, no que foi considerado o maior escândalo financeiro desde do final da Segunda Guerra Mundial. Ele foi acusado como cúmplice em falência fraudulenta.Marcinkus deixou Roma duas horas antes da chegada da polícia e o Vaticano expressou sua surpresa com o mandado e lembrou as autoridades italianas do tratado que proíbe a interferência do governo em assuntos do Vaticano.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.