Morre Cossiga, líder histórico da DC,que disse não às Brigadas Vermelhas

ITÁLIA

, O Estado de S.Paulo

18 de agosto de 2010 | 00h00

Francesco Cossiga, ex-presidente da Itália e líder histórico da Democracia Cristã, morreu ontem em Roma, aos 82 anos, de insuficiência cardiorrespiratória. Cossiga era ministro do Interior em 1978 quando disse não às negociações com os terroristas das Brigadas Vermelhas, grupo da esquerda italiana que havia sequestrado o secretário-geral da DC, Aldo Moro. "Sabia que o estava condenando à morte", reconheceu mais tarde. Após 55 dias de cativeiro, Moro foi executado e o corpo deixado em Roma em um carro a meio caminho das sedes da DC e do Partido Comunista Italiano (PCI), que também se opunha às tratativas com os brigadistas. Em 1985, aos 56 anos, foi eleito pelo Parlamento presidente da Itália. Em 1998 seu apoio foi fundamental para a formação do primeiro gabinete chefiado por um ex-comunista (Massimo D"Alema). Era senador vitalício.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.