José Cruz/Agência Brasil
José Cruz/Agência Brasil

Morre em acidente de carro embaixador do Brasil no Líbano

Táxi em que Paulo Cordeiro de Andrade Pinto estava colidiu contra um caminhão. Embaixatriz Vera Lúcia Ribeiro Estrela de Andrade Pinto e o motorista também morreram na hora

Redação, O Estado de S.Paulo

08 de maio de 2019 | 16h45

 embaixador do Brasil no Líbano, Paulo Cordeiro de Andrade Pinto, e sua mulher, Vera Lúcia Ribeiro Estrela de Andrade Pinto, morreram ontem em um acidente na Itália. Segundo jornais italianos, o acidente foi na via SS96, entre Grumo e Altamura, na região da Puglia, sul do país. O táxi havia saído do aeroporto de Bari e seguia para Matera.  Segundo a polícia, o motorista do táxi teria tentado ultrapassar um ônibus e bateu de frente em um caminhão. O taxista, Marcello de Filippis, de 49 anos, também morreu. 

Cordeiro teve destaque em várias representações brasileiras. Seu primeiro cargo como embaixador foi em Porto Príncipe, no Haiti, durante o governo Lula e num momento de grande importância do Brasil, que liderou a missão de paz da ONU no país, a Minustah. Ele participou das negociações que levaram à primeira eleição presidencial do país, em 2006, pouco depois do início da presença das tropas brasileiras no país.

Ele e sua mulher, baianos, gostavam da boa comida brasileira e abriram as portas da embaixada para as muitas autoridades que visitavam o Haiti, como o então ministro da Defesa, Nelson Jobim, e os generais que comandaram a operação. Um deles foi o atual chefe do Gabinete de Segurança Institucional (GSI), Augusto Heleno.

O embaixador tinha 65 anos. Ele nasceu em Salvador, na Bahia, em 12 de outubro de 1953. Era formado em História e entrou no Instituto Rio Branco, a escola de diplomatas do Itamaraty, em 1978. Ocupou postos em várias missões diplomáticas relevantes. Serviu na Delegação Permanente em Genebra, na Missão do Brasil junto às Nações Unidas em Nova York (Brasil membro do Conselho de Segurança da ONU) e nas Embaixadas do Brasil no México e em Ottawa, como ministro-conselheiro.

De 2011 a 2015, Cordeiro foi subsecretário-geral do Itamaraty responsável por África, Oriente Médio e Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP). No período, teve forte atuação nas relações diplomáticas do Brasil com os países árabes, e papel importante nas tentativas de mediação do então nascente conflito entre forças do presidente sírio, Bashar Assad, e os opositores armados, que depois se transformaria na Guerra na Síria.

Assumiu a embaixada no Líbano no fim do ano passado. A imagem que deixam no Itamaraty e em Brasília é de um casal animado, acolhedor, com muitos amigos e de grande acesso a ministros e políticos ligados aos diferentes governos. Em nota, o Palácio do Itamaraty lamentou a morte e expressou a familiares e amigos "sua solidariedade e sentidas condolências". O casal deixa três filhos e três netos.

 

Confira a nota do Itamaraty na íntegra:

"O Ministério das Relações Exteriores registra, com grande pesar, o falecimento do Embaixador do Brasil no Líbano, Paulo Cordeiro de Andrade Pinto, e de sua mulher, Vera Lúcia Ribeiro Estrela de Andrade Pinto, em trágico acidente rodoviário ocorrido no dia de hoje no sul da Itália.

O Ministério das Relações Exteriores expressa aos familiares e amigos do Embaixador Paulo Cordeiro e da Embaixatriz Vera Estrela sua solidariedade e sentidas condolências."

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.