Morre ex-diretor do 'Times'

Arthur Ochs Sulzberger comandou a New York Times Co. por 34 anos e revolucionou o jornalismo nos EUA

O Estado de S.Paulo

30 de setembro de 2012 | 03h06

MEMÓRIA

O empresário Arthur Ochs Sulzberger, que esteve à frente do New York Times por 34 anos, morreu ontem aos 86 anos. Ele foi presidente e diretor executivo da New York Times Co., holding do jornal, de 1963 a 1997, quando abriu mão do comando para seu filho, Arthur Ochs Sulzberger Junior.

Durante o tempo em que comandou o jornal, o New York Times passou por um período de expansão e de enormes mudanças na forma de informar os leitores. Quando Sulzberger tomou posse, o Times lutava com enormes dificuldades - a crise da economia nova-iorquina afetou todos os jornais da cidade.

A reação de Sulzberger foi investir em melhorias e expandir o jornal, em vez de cortar os custos a um ponto em que a qualidade jornalística seria afetada. Em meados da década de 70, o Times passou de suas duas seções tradicionais para quatro e, nos últimos anos de sua gestão, chegou a ter seis cadernos na maioria dos dias.

Para diversificar as fontes de renda, Sulzberger estimulou a compra de revistas, estações de TV, de rádio e abriu a venda de ações do Times ao público. Quando ele assumiu o cargo, em 1963, a receita do jornal era de US$ 101 milhões.

Quando deixou a presidência, a holding faturava US$ 2,6 bilhões e controlava o Boston Globe, 21 jornais regionais, oito estações de TV, nove revistas, duas estações de rádio em Nova York e uma agência de notícias.

Sua decisão mais importante à frente do jornal foi tomada em 1971. Sulzberger insistiu que os Documentos do Pentágono, a história secreta da Guerra do Vietnã, deveriam ser publicados. A decisão levou a uma sentença da Suprema Corte que marcou época: os jornais tinham o direito de publicar documentos secretos, livres da "proibição prévia" do governo.

Durante as três décadas em que esteve no comando, o New York Times ganhou 31 prêmios Pulitzer. A morte de Sulzberger foi anunciada ontem pela família no site do jornal. O executivo morreu em sua casa em Southampton, Nova York, após uma "longa doença", segundo a nota.

Telefonemas. No período em que esteve à frente do New York Times, Sulzberger tornou-se uma pessoa tão influente que passou a administrar pressões vindas de todos os lados, principalmente da Casa Branca.

Em 1963, o então presidente John F. Kennedy fez de tudo para que o jornal trocasse seu correspondente no Vietnã do Sul. No entanto, por decisão de Sulzberger, o jornalista David Halberstam, que vinha desagradando a Casa Branca com suas reportagens sobre a guerra, permaneceu no cargo.

Em 1967, já durante a presidência de Lyndon Johnson, o então secretário de Estado dos EUA, Dean Rusk, telefonou para Sulzberger para demonstrar a "preocupação" da Casa Branca com o trabalho que o repórter Harrison Salisbury vinha realizando em Hanói.

Durante o governo de Ronald Reagan, ele foi convidado para comer no Salão Oval. Após a refeição, ele telefonou para a mãe, contando que tinha almoçado com o presidente, o vice-presidente e o secretário de Estado. "Ela me respondeu: 'Que bom, querido, mas o que eles queriam?'", lembrou Sulzberger, às gargalhadas. "Eu nunca soube direito o que os políticos queriam."

Sobre o jornal que ajudou a construir, ele o definia de maneira simples e direta. "Você não compra notícia quando compra o New York Times", dizia Sulzberger. "Você compra discernimento." / NYT

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.