Morre fundadora do Washington Post

A jornalista e empresária norte-americana Katharine Graham morreu hoje em conseqüência de uma queda que sofreu em Sun Valley (Idaho), onde participava de uma reunião de negócios. Graham, que tinha 84 anos, permanecia inconsciente e em estado crítico desde sábado, quando sofreu um ferimento na cabeça após tropeçar e bater contra um piso de concreto. No mesmo dia, ela foi operada no Centro Médico Regional Alphonsus de Boise. Sua família estava a seu lado quando ela faleceu às 11h56 desta manhã (hora local). Como presidente do Conselho Executivo da The Washington Post Co., que publica o jornal de mesmo nome, Graham transformou o diário comprado por seu pai em um leilão à beira da bancarrota em um império que chegou ao 271º lugar na lista das 500 maiores empresas segundo a lista da revista Fortune quando ela deixou o cargo para seu filho em 1991. Ao longo do período em que conduziu o Post, Granham tornou-se uma força respeitada e também temida. Antes de morrer, a empresária estava escrevendo um livro sobre a história de Washington e continuava mantendo as rédeas sobre o jornal, de cujo conselho participava desde 1993. Graham chegou à direção do Post em 1963 após o suicídio de seu marido, Philip Graham, fazendo-o crescer até tornar-se um lucrativo conglomerado de jornais, revistas, emissoras de rádio e televisão a cabo. Muitas vezes, ela comparou sua vida a uma história de televisão. E sua autobiografia lhe valeu um prêmio Pulitzer, ao contar a história de uma esposa bonita que se transformou em uma das mulheres mais poderosas do mundo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.