Morre jovem que comoveu a França com pedido de eutanásia

Depois de passar três anos tetraplégico, cego, surdo e mudo, o jovem francês Vincent Humbert morreu nesta sexta-feira aos 22 anos. A morte do rapaz aconteceu dois dias depois que sua mãe, Marie Humbert, tentou matá-lo num plano anunciado de praticar a eutanásia, que é proibida na França. Marie Humbert pôs o que parece ser uma mistura de barbitúricos na sonda que alimentava seu filho, na quarta-feira. Ele entrou em coma e hoje morreu. Os médicos do hospital em que ele foi mantido vivo por três anos afirmaram que não fizeram todos os esforços para salvá-lo. ?Dadas as condições clínicas, a evolução e os desejos expressos por Vincent em várias ocasiões, decidimos limitar a terapia ativa?, disse Frederic Chaussoy, diretor da terapia intensiva do hospital. Vincent Humbert foi vítima de um acidente de carro em 24 de setembro de 2000. Ontem, três anos e um dia depois do fato que o levou à extrema limitação física, ele lançou o livro Eu Lhe Peço o Direito de Morrer, escrito com o auxílio de um jornalista. O rapaz conseguia mexer apenas um polegar, forma pela qual se comunicava com a mãe. Sua família não fazia segredo do plano de matar Vincent Humbert como um gesto de misericórdia. O drama vivido pelo rapaz acendeu uma forte polêmica na França, principalmente depois que ele enviou ao presidente Jacques Chirac uma carta em dezembro último pedindo autorização para ser objeto de eutanásia. ?Eu estou feliz, muito feliz de que meu irmão esteja finalmente livre. É um enorme alívio?, disse o irmão mais novo de Vincent, Laurent Humbert, a um canal de TV.

Agencia Estado,

26 Setembro 2003 | 12h56

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.