Mario Lopez/EFE
Mario Lopez/EFE

Morre Juan Guzmán, primeiro juiz chileno a processar o ditador Augusto Pinochet

Guzmán ganhou notoriedade ao julgar denúncias por homicídio no massacre denominado 'Operação Caravana da Morte', marcha militar que percorreu o Chile em outubro de 1973

Redação, O Estado de S.Paulo

22 de janeiro de 2021 | 21h12

SANTIAGO - O ex-juiz chileno Juan Guzmán, o primeiro magistrado que processou Augusto Pinochet por crimes contra a humanidade em sua ditadura (1973-1990), morreu nesta sexta-feira, 21, aos 81 anos, confirmou sua família à mídia local. 

Guzmán alcançou reconhecimento internacional depois de ser nomeado em 1998 como juiz de várias denúncias contra Pinochet por homicídio no massacre denominado "Operação Caravana da Morte", uma marcha militar que percorreu o Chile em outubro de 1973 e matou dezenas de prisioneiros. 

"Ele foi um juiz valente, com grande compromisso com a causa dos Direitos Humanos, foi um juiz de coragem", disse em seu Twitter a deputada comunista Carmen Hertz, cujo marido, Carlos Berguer, foi assassinado no início da ditadura.

Durante a investigação judicial de Guzmán, Pinochet foi preso em 1998 em uma clínica de Londres por ordem do juiz espanhol Baltasar Garzón, que queria processá-lo por assassinatos ocorridos durante seu regime. 

Pinochet foi libertado em março de 2000 por condições de saúde e voltou ao Chile. 

Após seu retorno, Guzmán conseguiu prosseguir com a investigação de Pinochet, que na época era senador vitalício. 

Mas em 2002 a Suprema Corte decidiu que uma leve demência impediu Pinochet de se defender no tribunal pelas mais de 3 mil mortes e desaparecidos em seu regime. 

"Eu teria compartilhado a decisão da Suprema Corte, mas tendo visto Pinochet e estudado seriamente os relatórios médicos, não pude deixar de estimar que ele estava com suas faculdades mentais normais", disse Guzmán em entrevista ao jornal alemão Deutsche Welle.

Pinochet sempre negou sua culpa e morreu em dezembro de 2006 sem ter sido condenado. 

Guzmán se aposentou em 2005 e publicou suas memórias com o título No fim do mundo: memórias do juiz que processou Pinochet. /AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.