Morre militar que apagou prova de abusos

Admirador assumido de Adolf Hitler, o general argentino Cristino Nicolaides, de 86 anos, morreu no sábado por problemas pulmonares em Córdoba, onde cumpria prisão domiciliar. Um mês antes do fim da ditadura no país, em 1983, o então chefe do Exército ordenou a queima de arquivos com informações sobre o paradeiro dos corpos de desaparecidos, bebês sequestrados e centros de tortura. Em 2007, Nicolaides foi condenado a 25 anos de prisão pelos sequestro e morte de integrantes do grupo Montoneros que haviam retornado à Argentina em plena ditadura para tentar derrubar o regime militar.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.