Morre na França Abbe Pierre, padre defensor dos pobres

Abbe Pierre, padre católico romano que renunciou à riqueza para defender os pobres e que se tornou um dos homens mais admirados da França, morreu nesta segunda-feira aos 94 anos de idade. Líderes franceses elogiaram o padre, dizendo tratar-se de um lutador incansável contra a pobreza e a favor dos desfavorecidos. O presidente Jacques Chirac disse que a França perdeu "uma imensa figura, uma consciência, um homem que personificou a bondade". Abbe Pierre foi internado em um hospital de Paris em 14 de janeiro com bronquite. Ele morreu às 5h25 (2h25 de Brasília) desta segunda-feira, depois de sofrer de infecção pulmonar. O padre, que passou a maior parte da vida defendendo pobres, era pouco conhecido fora da França, mas era considerado um santo moderno no país. "Abbe Pierre representou o espírito de rebelião contra a miséria, o sofrimento, a injustiça e a força da solidariedade", disse Chirac em comunicado. Nascido em 1912, Henri-Antoine Groues era o quinto filho de um comerciante de seda, mas abriu mão da vida confortável para tornar-se monge. Ele ganhou o apelido Abbe Pierre - "abbe" é um título tradicional de padres - durante a Segunda Guerra Mundial, quando forjou documentos de identidade para retirar refugiados da França. Ele começou a defender os sem-teto em 1949 e ganhou fama em 1954, quando exigiu em público abrigo para milhares de pessoas ameaçadas de morte por um inverno muito frio. Seu apelo gerou ondas de simpatia e sua rede de abrigos Emmaus está agora em 41 países.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.