Morre o líder religioso africano Beyers Naude, aos 89 anos

O religioso africâner Beyers Naude, que passou metade de sua vida apoiando-se na Bíblia para sustentar o esquema de segregação racil sul-africano e depois converteu-se em um dos oponentes ao Apartheid, morreu nesta terça-feira, aos 89 anos. A saúde de Naude já estava bastante debilitada nos últimos tempos e ele teve de ser hospitalizado na semana passada por conta de problemas circulatórios. O religioso morreu às 4h do horário local, em uma casa em Johannesburgo. Christiaan Frederick Beyers Naude nasceu em 1915, dentro de um importante grupo de dirigentes africâneres, descendentes de colonos holandeses e franceses. No início, Naude era um fervoroso l[ider defensor do nacionalismo branco. Na década de 1950, no entanto, começou a ter dúvidas sobre a validade do esquema de segregação racial. Finalmente, os massacres acomtecidos em 1960, nos quais soldados mataram 69 manifestantes negros, fizeram com que Naude reconsiderasse definitivamente sua posição. Era o início do desenvolvimento de uma teologia alternativa que condenava o racismo. Assim como a maioria dos líderes na África, o religioso sofreu repressão e ostracismo, até que, quando Nelson Mandela assumiu a presidência sul-africana, em 1994, Naude passou a ser considerado um herói.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.