Morre o rabino Kadouri, líder da cabala

Yitzhak Kadouri, o místico rabino que amaldiçoou Saddam Hussein, criticou Madonna e influenciou as eleições israelenses, morreu sábado à noite, em Jerusalém, depois uma longa luta contra a pneumonia. Acredita-se que ele tinha pelo menos 106 anos. Apesar da idade avançada, o sábio da cabala era procurado por pessoas do mundo inteiro. "Milhares e milhares de pessoas já se beneficiaram de suas bênçãos: doentes de câncer e do coração, casais sem filhos", disse Moshe Nimni, seu principal assessor. Cerca de 200 mil pessoas lotaram Jerusalém neste domingo para os funerais de Kadouri.Seu prestígio era grande até na política. Em 2000, o desconhecido parlamentar Moshe Katsav concorreu à Presidência de Israel contra o mundialmente conhecido e Nobel da Paz Shimon Peres. Katsav teve uma vitória surpreendente depois que Kadouri disse ter tido uma "visão" de que o parlamentar era o favorito dos céus. Katsav é o atual presidente de Israel.Em 1998, o rabino jogou uma maldição contra o então ditador Saddam Hussein. "Que o medo caia sobre eles (iraquianos)", disse, após Saddam ameaçar Israel.Nem Madonna escapou. A cantora, que havia aderido à cabala, viajou a Israel em 2004 e visitou de madrugada o túmulo de um cabalista. "É proibido ensinar a cabala a não-judeus", reagiu o rabino, tentando pôr fim à moda da cabala pelo mundo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.