Morre Rauf Denktash, líder político dos turcos cipriotas

Rauf Denktash, o líder dos turcos cipriotas cuja busca determinada por um Estado em separado dos gregos para seu povo levou à criação da República Turca do Norte do Chipre em 1983, morreu nesta sexta-feira aos 87 anos, informou o médico Charles Canver, que tratava as doenças cardíacas do político. Canver disse que o líder turco-cipriota morreu por falência múltipla de órgãos no Hospital Universitário do Norte de Nicósia, setor turco da dividida capital do Chipre. A República Turca do Norte do Chipre é um Estado reconhecido apenas pela Turquia.

AE, Agência Estado

13 de janeiro de 2012 | 21h00

A morte de Denktash ocorreu no momento em que os gregos e turcos cipriotas fazem novo esforço para tentar reunificar a ilha, dividida desde 1974, quando o Exército da Turquia invadiu a parte norte do Chipre após uma tentativa fracassada dos greco-cipriotas, majoritários, de fazer a união política com a Grécia.

Denktash manteve durante décadas a visão de que os turcos cipriotas precisavam de um Estado separado para preservar a paz e evitar o que ele chamava de "massacres de turcos", pelas mãos da maioria grega.

Essa visão começou a ser moldada no final da década de 1950, quando Denktash ajudou a criar a Organização de Resistência Turca, como um contrapeso à organização grega Eoka, que conduzia uma campanha paramilitar contra a Grã-Bretanha, então potência colonial do Chipre. A Eoka defendia a união com a Grécia.

"Os greco-cipriotas viam Denktash como um adversário cínico", disse o professor de história Petros Papapolyviou, da Universidade do Chipre. "Ele era visto como o homem que colocava o interesse da Turquia acima do interesse cipriota".

Nascido em Faros, no sul do Chipre, em 24 de janeiro de 1924, Denktash era um advogado que estudou em Londres e virou um líder da comunidade turca nos turbulentos anos 1960 e 1970, quando os confrontos e perseguições entre os gregos e turcos cipriotas ceifaram centenas de vidas. O país ficou independente em 1960. Os conflitos étnicos apenas cresceram, Após a invasão turca em 1974 e a ocupação do norte da ilha, Denktash declarou o norte do Chipre "federado" à Turquia. Em 1983, ele proclamou a independência, mas o Chipre turco nunca obteve reconhecimento internacional. A Turquia precisou manter um exército de 35 mil soldados para proteger o norte cipriota e até hoje mantém milhares de soldados na região.

Denktash venceu todas as eleições presidenciais no norte do Chipre entre 1983 e 2000. Mas no começo deste século, os turcos cipriotas começaram a ver a obstinação de Denktash em mantê-los em um Estado não reconhecido como algo que os estava afastando do progresso econômico e social que a parte sul do Chipre vivia, principalmente após 2004, quando entrou para a União Europeia.

As informações são da Associated Press.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.