Efe
Efe

Morre reverendo Moon, fundador da Igreja da Unificação, na Coreia do Sul

Sun Myung Moon estava internado com pneumonia há duas semanas

estadão.com.br,

02 de setembro de 2012 | 16h49

Texto atualizado às 17h14

GAPYEONG, COREIA DO SUL - O reverendo Sun Myung Moon, o autoproclamado messias que transformou a Igreja da Unificação em um movimento religioso mundial e fez amizade com os líderes da Coreia do Norte e presidentes dos EUA, morreu aos 92 anos neste domingo, 2.

Ele estava internado em um hospital de propriedade da igreja perto de sua casa em Gapyeong, ao nordeste de Seul, na Coreia do Sul, duas semanas depois de ter sido hospitalizado com pneumonia. Segundo o porta-voz da Igreja da Unificação, Ahn Ho-yeul, a esposa e os filhos estavam ao lado dele o tempo todo.

Moon, nascido em uma cidade que atualmente faz parte da Coreia do Norte, fundou o movimento religioso em Seul em 1954, após sobreviver à Guerra da Coreia. Ele pregou novas interpretações das lições da Bíblia.

A igreja ganhou fama e notoriedade nos anos 70 e 80 pela realização de casamentos em massa de milhares de seguidores, as vezes de diferentes países, na tentativa de construir um mundo religioso multicultural.

A igreja foi acusada de enganar seguidores por dinheiro. Pais de religiosos nos Estados Unidos e em outras partes do mundo expressaram preocupação que seus filhos teriam sofrido "lavagem cerebral" ao entrar no culto. A igreja respondeu que outras novas religiões sofreram acusações semelhantes em seus estágios iniciais.

Mais recentemente, a igreja adotou um perfil mais discreto e se concentrou em negócios, construindo um império que inclui o jornal Washington Times, o hotel New Yorker em Manhattan, a Universidade Bridgeport em Connecticut, assim como

hotéis e montadoras de automóveis na Coreia do Norte.

A igreja também possui um resort para práticas de esqui, um time de futebol profissional e outros negócios na Coreia do Sul, incluindo uma empresa de distribuição de frutos do mar que fornece sushis para os restaurantes japoneses nos Estados Unidos.

Com agências de notícias

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.