Morrem 10 guerrilheiros maoistas em combate na Índia, diz polícia

Operação destruiu também campos de treinamento maoistas e minas foram confiscadas

Efe

14 de junho de 2010 | 09h46

NOVA DÉLHI - Ao menos dez guerrilheiros maoistas morreram e seis policiais ficaram feridos em um combate no estado indiano de Jharkhand (nordeste), informou nesta segunda-feira, 14, uma fonte policial.

 

O confronto, no qual participaram 300 guerrilheiros maoistas, ocorreu no domingo no distrito de Singhbhum Ocidental, durou 28 horas e as forças de segurança não recuperaram nenhum corpo, segundo a fonte, citada pela agência indiana "Ians".

 

Cerca de 2 mil soldados, entre paramilitares e membros das forças especiais, participam desde a sexta-feira da operação antimaoista que ocorre neste distrito do conflituoso estado de Jharkhand.

 

Durante a operação, oito campos de treinamento maoistas foram destruídos e as forças de segurança confiscaram 21 minas e dois geradores elétricos.

 

"Nosso plano é cortar as provisões dos maoistas, como alimentos e água. As forças de segurança começaram a encurralar aos rebeldes, mas levará meses até a batalha final", explicou a fonte.

 

As operações contra a guerrilha maoista se intensificaram nas últimas semanas no nordeste do país, após o atentado contra um trem de passageiros em 28 de maio, que foi atribuído aos maoistas e deixou 145 mortos. EFE

 

A guerrilha maoista, conhecida na Índia como "Naxalite" foi considerada a principal ameaça à segurança interna da Índia por seu primeiro-ministro, Manmohan Singh.

 

Os maoistas têm seus redutos no chamado "cinturão vermelho" da Índia, uma faixa de território central e oriental, onde têm campos de treinamento e buscam o apoio do campesinato impor uma revolução maoista agrária.

 

A guerrilha nasceu após a realização de uma revolta na aldeia bengali Naxalbari em 1967, mas na década de 1970 e 1980 foi eliminada pelo Governo de Bengala, controlado pelos comunistas, e se mudou para os estados vizinhos de Bihar, Jharhkhand e Chhattisgarh, em especial suas áreas tribais.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.