Morrem 17 montanhistas no Himalaia nepalês

Do total de vítimas, 12 morreram ontem à tarde quando foram atingidas por uma tempestade de neve na passagem Throung A que, com uma altitude a 5.419 metros, é o ponto mais alto do circuito de Annapurna, a décima montanha mais alta do mundo

O Estado de S. Paulo

15 de outubro de 2014 | 14h59

KATMANDU -  Ao menos 17 montanhistas - entre eles 4 canadenses, 2 poloneses, 1 israelense, 1 indiano e 1 nepalês - morreram enquanto faziam trekking na região do monte Annapurna e outros 5 estão desaparecidos depois que foram atingidos por um desmoronamento no Monte Dhaulagiri, ambos situados na Cordilheira do Himalaia no Nepal, informaram nesta quarta-feira, 15, à agência EFE fontes oficiais.

Do total de vítimas, 12 morreram ontem à tarde quando foram atingidas por uma tempestade de neve na passagem Throung A que, com uma altitude a 5.419 metros, é o ponto mais alto do circuito de trekking do Annapurna (8.091m), a décima montanha mais alta do mundo, disse o porta-voz do Exército nepalês, Niranjan Shrestha.

Até a tarde desta quarta-feira, foram recuperados apenas os corpos de dois poloneses, um israelense e um nepalês, e se desconhece a nacionalidade dos outros que possivelmente estão presos sob a neve.

Outros 38 montanhistas que permaneciam ilhados no mesmo local foram resgatados por dois helicópteros militares, segundo Shrestha.

Além disso, quatro canadenses e um indiano morreram ontem enquanto caminhavam por uma trilha em uma área remota do distrito de Manang, disse o subinspetor de polícia Narayan Datta Chapagain, que relatou que seus corpos foram descobertos hoje.

Outros três canadenses e um nepalês do mesmo grupo foram resgatados em um helicóptero pelo Exército do Nepal.

Além disso, cinco escaladores - dois eslovacos e seus três sherpas nepaleses - estão desaparecidos desde ontem à noite quando um desmoronamento atingiu o acampamento base do Monte Dhaulagiri (8.167m), o sétimo mais alto do mundo.

"As possibilidades de encontrá-los vivos são muito baixas", disse à EFE Sonam Sherpa, da agência de montanhismo que organizou a escalada.

Após a passagem do ciclone Hudhud pela Índia - onde deixou 24 mortos - aconteceram chuvas e nevascas incomuns nos dois últimos dias no Nepal, onde estão situadas 8 das 14 montanhas do mundo com mais de 8 mil metros de altitude e que está em plena alta temporada de montanhismo.

Os acidentes fatais no Himalaia são relativamente comuns. Dois montanhistas, um alemão e outro italiano, morreram em setembro quando foram atingidos por uma avalanche enquanto participavam de uma expedição que escalava o Monte Shishapangma (8.013 metros), a 14.ª montanha mais alta do mundo, na Cordilheira do Himalaia.

Em abril, 12 sherpas nepaleses morreram e outros três ficaram gravemente feridos depois que foram arrastados por um desmoronamento quando se dirigiam a um dos acampamentos base do monte Everest. / EFE



Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.