Morrem oito soldados e 20 supostos terroristas nas Filipinas

Militares buscam paradeiro do padre italiano seqüestrado e são atacados

Efe

11 Julho 2007 | 09h29

Pelo menos oito soldados e 20 supostos membros do grupo terrorista Abu Sayyaf morreram num choque armado na ilha de Basilan (Mindanao). Os militares buscavam informações sobre o paradeiro de Giancarlo Bossi, o padre italiano seqüestrado desde 10 de junho. Porta-vozes militares acrescentaram que há, além disso, nove soldados feridos. Eles não descartaram que o número de vítimas aumente, levando em conta que não há notícias de seis soldados que participaram do confronto. A fonte acrescentou que os corpos de quatro militares foram achados decapitados. O confronto aconteceu na terça-feira, quando 50 soldados buscavam pistas de Bossi em Basilan, ilha considerada um reduto histórico do Abu Sayyaf. Porta-vozes militares disseram que a patrulha foi surpreendida por um grupo de supostos membros do grupo terrorista, que atacaram com armas de fogo. O governo filipino atribui ao Abu Sayyaf o seqüestro de Bossi. Ele foi capturado por um grupo armado na província de Zamboanga Subigay, 850 quilômetros a sudeste da capital, quando acabava de celebrar uma missa. No fim do mês passado os seqüestradores pediram US$ 1 milhão pelo resgate do religioso.

Mais conteúdo sobre:
Filipinas padre italiano seqüestro

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.