Morrem quatro militares em novos ataques no Sri Lanka

Três membros da Força Aérea e um soldado cingaleses morreram nas últimas horas em ataques com minas nas áreas do Sri Lanka controladas pelos rebeldes tâmeis, informaram fontes oficiais. Um ataque com mina neste domingo matou um soldado e feriu outro em Mattuvil, no distrito de Jaffna (norte da ilha), segundo fontes militares. Além disso, em Trincomalee, no leste do país, três militares da Força Aérea, entre eles um oficial, morreram por causa de uma explosão. Outros cinco ficaram feridos no incidente, que aconteceu por volta das 10h15 (de Brasília) de sábado, disse neste domingo o subinspetor de Polícia da região. Mais quatro soldados morreram e dez ficaram feridos na explosão de outra mina em Vavuniya (norte). O Exército responsabilizou os Tigres de Libertação da Pátria Tâmil (LTTE). Desde segunda-feira têm acontecido vários ataques nas regiões do Sri Lanka controladas pela guerrilha tâmil. O saldo é de mais de 40 mortes, metade de militares. A manutenção do cessar-fogo na ilha, em vigor desde fevereiro de 2002, está ameaçada. O Governo deveria se encontrar com o LTTE para conversas de paz nos dias 24 e 25, em Genebra. As autoridades cingalesas, porém, suspeitam da participação da guerrilha tâmil nos últimos atentados. Um deles teve como alvo um mercado de Trincomalee e matou 15 pessoas. O LTTE iniciou em 1983 seu levantamento armado contra as autoridades para exigir a criação de um estado tâmil. A etnia é minoritária no país, mas majoritária no norte le este da ilha. Cerca de 65 mil pessoas morreram na guerra civil no Sri Lanka até o início do cessar-fogo, em fevereiro de 2002. Os conflitos têm sido evitados até agora, embora em alguns momentos de forma muito precária.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.