Warrick Page/The New York Times
Warrick Page/The New York Times

Morte de Bin Laden completa 5 anos e CIA foca em eliminar chefe do Estado Islâmico

Chefe da Al-Qaeda foi morto por tropas americanas na madrugada de 2 de maio de 2011. Agência de Inteligência americana divulgou tuítes do desenvolvimento da operação de busca como se estivese acontecendo de forma simultânea

O Estado de S. Paulo

02 Maio 2016 | 09h47

WASHINGTON - Cinco anos após a morte de Osama bin Laden por tropas americanas, o diretor da Agência Central de Inteligência (CIA), John Brennan, disse que eliminar o chefe do Estado Islâmico teria um impacto importante sobre o grupo, que roubou os holofotes da Al-Qaeda.

Bin Laden foi morto na madrugada de 2 de maio de 2011 por forças especiais dos EUA, que invadiram sua mansão no Paquistão.

"Destruímos grande parte da Al-Qaeda. Embora não esteja completamente eliminada, temos de enfrentar, nos próximos anos, o novo fenômeno Estado Islâmico", declarou o chefe da CIA.

Brennan lembrou à rede NBC aquele histórico 1º de maio (no horário americano), quando o presidente Barack Obama anunciou a morte do chefe da Al-Qaeda.

"É importante que destruamos o EI, e não tenho dúvida de que eliminar seu chefe, Abu Bakr al-Bagdadi, terá um grande impacto sobre a organização", defendeu.

O grupo "não é apenas uma grande organização, é um fenômeno. Nós o vemos não apenas na Síria e no Iraque, mas também na Líbia, na Nigéria e em outros países", indicou o diretor da CIA, referindo-se aos grupos aliados que juraram fidelidade aos jihadistas.

Com a hashtag #UBLRaid (#OBLAtaque, em português), a CIA tuitou no domingo o ataque contra Bin Laden como se estivesse acontecendo de forma simultânea.

A agência divulgou, assim, os tuítes do desenvolvimento da operação, incluindo a célebre foto do presidente Obama acompanhando o evento junto com outros funcionários do alto escalão do governo na Situation Room, a sala de crise da Casa Branca.

"3:39 pm EDT - Osama Bin Laden encontrado no terceiro andar e morto #UBLRaid", anunciava um dos tuítes. /AFP

Mais conteúdo sobre:
Osama bin Laden Estado Islâmico Al-Qaeda

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.