Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Estadão Digital
Apenas R$99,90/ano
APENAS R$99,90/ANO APROVEITE

Morte de Hariri teve motivação política, aponta investigação

O chefe da investigação do assassinato do ex-primeiro-ministro libanês Rafik Hariri disse nesta terça, 16, que sua equipe acredita que o crime têm ligações com as atividades políticas realizadas pelo ex-premier.Em seu quinto relatório ao Conselho de Segurança da ONU, o promotor belga Serge Brammertz levantou a possibilidade de que a decisão de matar Hariri aconteceu depois do ex-primeiro-ministro se reaproximar com a Síria e com outros líderes libaneses.O relatório revela algumas evidências e dicas sobre o assassinato de Hariri e de outras 22 pessoas em Beirute em 14 de fevereiro de 2005. Neste dia, o Parlamento libanês iria debater uma nova lei eleitoral e Hariri liderava as pesquisas para se candidatar.Uma das hipóteses consideradas pela comissão investigadora é que "os assassinos decidiram cometer o crime antes que Hariri começasse sua campanha eleitoral".Uma outra hipótese diz que "no período antes de sua morte, Hariri outros políticos tentavam iniciar um diálogo com a Síria", segundo declarações de Brammertz. "A mídia havia divulgado uma possível aproximação entre os países."Em 2005, um relatório de Brammertz disse que Síria de teve ligações com o assassinato. O governo sírio negou as acusações mais for forçada a retirar suas tropas do Líbano, acabando com a presença no país que já durava 29 anos. Outros quatro acusados de participar do crime ficaram detidos por 15 meses.O investigador chefe disse que nos últimos três meses, a compreensão dos fatos "avançou substancialmente algumas ligações novas foram feitas entre os componentes do crime".Desde dezembro, a comissão conduziu 42 entrevistas em relação ao caso de Hariri. Eles identificaram 250 pessoas para entrevistar nos próximos três meses.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.