Morte de monge tibetano por autoimolação causa protesto na China

Um monge tibetano no oeste da China morreu depois de atear fogo ao próprio corpo em um protesto contra o governo. Essa é a 15ª autoimolação desde março na conturbada região do país, disse nesta segunda-feira um porta-voz tibetano exilado.

REUTERS

09 de janeiro de 2012 | 12h26

O monge Sonam Wangya ateou fogo a si mesmo em frente a uma delegacia de polícia no condado de Darlag, na província de Qinghai, no domingo, para protestar contra a falta de liberdade religiosa, disse o porta-voz da Administração Tibetana Central, Thubten Samphel, em um comunicado por email.

A agência de notícias oficial chinesa, a Xinhua, confirmou a morte.

A Rádio Free Asia disse em um relato anterior que o monge, que tinha por volta de 40 anos, bebeu querosene, espalhou o combustível no corpo e então ateou fogo a si mesmo enquanto pedia o retorno do líder espiritual tibetano exilado, o Dalai Lama.

Ele morreu no local e seu corpo foi levado pela polícia, disse o relato, citando fontes não identificadas.

O ato de desafio fatal pelo monge de alto escalão - chamado de um "Buda Vivo", segundo a agência de notícias Xinhua - segue-se a duas outras autoimolações perto do monastério de Kirti, na província de Sichuan, na sexta-feira.

Acredita-se que pelo menos oito dos 15 tibetanos que se imolaram nos últimos 10 meses - a maioria deles, monges budistas - tenham morrido.

O porta-voz para o governo tibetano no exílio em Dharamsala, na Índia, disse que milhares protestaram no domingo na região da província de Qinghai, que faz fronteira com a região do Tibete, exigindo que as autoridades devolvam o corpo.

""Devido à posição dele como líder espiritual local, aproximadamente 2.000 tibetanos fizeram uma vigília à luz de velas pedindo às autoridades policiais locais que devolvam o corpo. A polícia local evitou mais tensão concordando em fazer isso", disse o porta-voz Samphel.

Segundo a Xinhua, o corpo do último monge morto, cujo nome era Nyage Sonamdrugyu, foi devolvido a parentes.

Tudo o que sabemos sobre:
CHINAMONGESUICIDIO*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.