Maxim Shipenkov/ Efe
Maxim Shipenkov/ Efe

Morte de opositor russo foi premeditada, diz amigo

Hipótese também foi levantada por uma fonte ligada à investigação; Putin promete punir assassinos de Nemtsov

O Estado de S. Paulo

28 de fevereiro de 2015 | 19h24

MOSCOU - Fontes policiais e companheiros de militância do líder político de oposição russo Boris Nemtsov disseram neste sábado, 28, que seu assassinato, na sexta-feira, foi premeditado. Nemtsov, de 55 anos, foi atingido por quatro tiros nas costas quando passeava com uma amiga por uma das pontes do Rio Moscova, a cerca de 200 metros do Kremlin. 

Em um comunicado enviado ao site de notícias russo Voice of America (VOA), o líder opositor e também amigo de Nemtsov, Mikhail Kasyanov, afirmou que o crime foi “premeditado e cuidadosamente planejado”. “Um líder opositor foi morto no coração de Moscou, perto dos muros do Kremlin. Nós continuaremos nosso trabalho e nossa luta para tornar a Rússia um país livre e democrático.”

Uma fonte policial ligada à investigação afirmou que, segundo informações preliminares, tratou-se de um crime premeditado cometido por alguém “muito experiente” que conhecida a agenda de Nemtsov. Ontem, a polícia de Moscou localizou um veículo que teria sido usado no crime.

O Comitê Investigativo da Rússia disse que estava trabalhando com várias hipóteses para o crime, mas a principal seria uma suposta “tentativa de desestabilizar a situação política no país”. Ainda hoje, o presidente russo, Vladimir Putin, prometeu à mãe do opositor, Dina Eidman, que “fará todo o possível” para castigar os assassinos de seu filho.

Ferrenho opositor de Putin, Nemtsov criticava o presidente por seu envolvimento na crise Ucrânia. Ontem, o presidente ucraniano, Petro Poroshenko, reiterou que Nemtsov disse a ele, há algumas semanas, que iria revelar provas convincentes da ingerência militar russa em seu país. / EFE, AP e REUTERS

Notícias relacionadas
    Tudo o que sabemos sobre:
    RússiaBoris NemtsovMikhail Kasyanov

    Encontrou algum erro? Entre em contato

    Tendências:

    O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.