Morte de paquistaneses estremece relação com EUA

O secretário-geral da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan), Anders Fogh Rasmussen, informou hoje que escreveu ao primeiro-ministro paquistanês, Yousuf Raza Gilani, para expressar seus sentimentos pelas mortes "trágicas e não intencionais" de 24 soldados do Paquistão em um ataque aéreo.

AE, Agência Estado

27 de novembro de 2011 | 15h04

"Eu escrevi ao primeiro-ministro do Paquistão para deixar claro que a morte de paquistaneses é inaceitáveis e deplorável, assim como a de afegãos e soldados internacionais", disse ele em um comunicado. "Este foi um trágico acidente não intencional".

O ataque realizado ontem pelas tropas da Otan estremeceu a problemática relação entre os Estados Unidos e o Paquistão e dificultou os esforços para avançar com as negociações de paz com o Taleban. A Embaixada dos EUA em Islamabad está convocando os funcionários que ficam nas províncias para irem à capital, como uma medida de precaução depois do incidente e pediu atenção dos cidadãos norte-americanos para a sua segurança pessoal.

De acordo com exército paquistanês, que chamou a ação de "ato irresponsável", os helicópteros e as aeronaves de combate da Otan bombardearam os postos de fronteira na região tribal Mohmand, na divisa com o Afeganistão. "A soberania do Paquistão foi atacada, disse o primeiro-ministro paquistanês, Yousuf Raza Gilani. "Este é o nosso Paquistão e temos que defendê-lo".

Em retaliação, o governo paquistanês fechou as rotas usadas pela Otan para levar carregamentos ao Afeganistão e pediu que militares americanos desocupem em até 15 dias a base de Shamsi, na província do Baluchistão.Vietor said. As informações são da Dow Jones e da Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
mortepaquistanesesOtanEUA

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.