Morte de Pinochet monopoliza a atenção da imprensa chilena

A morte do ex-ditador Augusto Pinochet, neste domingo, em Santiago, ocupou grande parte do espaço dos meios chilenos de comunicação, que fizeram uma vasta cobertura do acontecimento.As páginas eletrônicas dos jornais do país veicularam várias matérias sobre a morte do ex-ditador, enquanto as emissoras de TV e as rádios transmitiam ao vivo os detalhes do falecimento, as reações de partidários e adversários do ex-general e as manifestações a favor e contra Pinochet. chegadas ao Chile principalmente através das agências internacionais, assim como textos biográficos do ex-governante, datas marcantes de sua ditadura (1973-1990), a história dos processos e outros aspectos de sua vida.Nessa profusão informativa não faltaram também as análises sobre a influência que Pinochet exerceu sobre o país e seus habitantes durante os anos em que esteve no poder, e como sua figura, após 16 anos de democracia, ainda divide os chilenos em dois lados completamente diferentes.As principais emissoras de TV anunciaram em seus horários noturnos programas especiais sobre a vida e os momentos mais importantes do homem que mudou a história do Chile quando, em 11 de setembro de 1973, liderou um duro golpe militar que terminou com 150 anos de convivência democrática neste país sul-americano.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.