Carl K. Dunn via The New York Times
Carl K. Dunn via The New York Times

Morte de policiais por covid foi quatro vezes maior do que em ação nos EUA em 2020 e 2021

Convencer profissionais a tomar a vacina ainda é difícil e exigência de certificados da vacinação leva a medo de êxodo no momento em que homicídios crescem no país

Redação, O Estado de S.Paulo

13 de outubro de 2021 | 05h00

BAKER, EUA - Mais de 460 policiais americanos morreram de covid-19 em situações ligadas ao seu trabalho desde o início da pandemia nos Estados Unidos, de acordo com a Officer Down Memorial Page, tornando o coronavírus de longe a causa mais comum de mortes relacionadas ao trabalho desses profissionais em 2020 e 2021. O número de policiais que morreram de covid-19 é quatro vezes maior do que o dos que morreram por tiros no mesmo período.

No último ano e meio, a maioria dos cerca de 40 policiais que patrulham Baker, na Louisiana, um subúrbio de Baton Rouge, testou positivo para a covid-19. Todos eles se recuperaram e voltaram ao trabalho, até que o tenente DeMarcus Dunn adoeceu.

O tenente Dunn, um supervisor de turno de 36 anos que treinava esportes para jovens e uma vez perseguiu alguém que fugiu da delegacia depois de ser preso, morreu de covid-19 no dia 13 de agosto. Seu casamento estava marcado para o dia seguinte.

O chefe Carl K. Dunn disse ter presumido que o tenente, um parente distante, havia sido vacinado, mas achou que não seria apropriado lhe perguntar. Foi só depois da morte do tenente que Carl foi informado que o tenente Dunn não havia recebido nenhuma dose. Para alguns outros integrantes do departamento que resistiam à vacinação, esse fato foi um ponto de virada.

"Eles ficavam falando 'olha, espere um pouco (para vacinar)'", lembrou o chefe Dunn no mês passado. "Esses foram os que começaram a se vacinar depois que DeMarcus nos deixou."

Não há uma conta exata de quantos policiais americanos adoeceram com o vírus, mas departamentos em todo o país relataram grandes surtos. Mesmo assim, convencer os policiais a tomar a vacina muitas vezes tem sido uma luta, embora as vacinas tenham se mostrado bastante eficazes na prevenção de doenças graves e morte.

Algumas autoridades eleitas dizem que os policiais têm uma responsabilidade em receber as vacinas porque estão interagindo regularmente com o público e podem espalhar o vírus sem saber. O debate ecoa preocupações do início da pandemia, quando os policiais em algumas cidades resistiram ao uso de máscaras em público.

Certificados de vacinação

No momento em que a exigência da vacina estava sendo adotada em Estados dos EUA, em San Jose, Califórnia, políticos no poder decidiram permitir que policiais não vacinados continuassem empregados até o final do ano, desde que com mais disciplina e realização de testes periódicos.

Mas os policiais têm uma carta na manga. Muitos departamentos de polícia têm um grande número de vagas de emprego e uma escassez de candidatos qualificados. Ao mesmo tempo, políticos dizem que não querem arriscar uma saída em massa de policiais no momento em que os homicídios aumentam em todo o país.

Os certificados de vacinação no local de trabalho tornaram-se mais comuns à medida que a variante Delta levou ao aumento dos casos de covid e o presidente Joe Biden anunciou planos de exigir vacinação ou testes frequentes em grandes empresas. 

Os certificados conseguiram aumentar as taxas de vacinação em empresas de saúde, companhias aéreas e outras empresas, e um número relativamente pequeno de trabalhadores deixou seus empregos por causa do problema.

Mas em Los Angeles, onde as vacinas são exigidas para os funcionários da cidade, mais de 2.600 funcionários do departamento de polícia disseram que pretendiam buscar uma isenção religiosa, embora quase todas as principais denominações religiosas apoiem a vacinação.

O xerife John Mina, do condado de Orange, Flórida, disse que os policiais lidam com “criminosos violentos o tempo todo carregando armas, e por isso pensam que isso pode ser apenas mais uma ameaça”.

Mina, que está vacinado, levou um médico para responder às perguntas dos policiais sobre a vacina e ofereceu três dias de folga aos vacinados. Mas da última vez que o departamento verificou, cerca de 45% dos funcionários que responderam a uma pesquisa ainda não estavam vacinados. O xerife se opõe aos certificados de vacinação e teme que exigi-los possa causar um êxodo para departamentos em comunidades vizinhas.

Nenhum departamento de polícia dos EUA relatou saídas em grande escala em razão da exigência de certificados de vacinação, mas os sindicatos sugeriram essa possibilidade. Algumas cidades permitem que os policiais façam testes regularmente, em vez de serem vacinados. Outros, incluindo Memphis, onde os homicídios aumentaram drasticamente durante a pandemia e onde as autoridades estão tentando contratar mais policiais, não impuseram nenhuma exigência.

É quase impossível trabalhar em casa ou manter o distanciamento social como policial, e pelo menos 125 policiais morreram de covid-19 desde o início de agosto, de acordo com o Officer Down Memorial Page, um grupo sem fins lucrativos que rastreia mortes de policiais relacionadas à profissão (e ainda não contabilizou a do tenente Dunn). / NYT 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.