Morte de premiê abre sucessão na Etiópia

O primeiro-ministro etíope, Meles Zenawi, reformista da economia de seu país e tido internamente como um autocrata, mas louvado no Ocidente por seu combate a radicais islâmicos, morreu no fim da noite da segunda-feira, aos 57 anos. O vice-primeiro-ministro do país, Hailemariam Desalegn, deverá assumir o governo. Ele deve ser nomeado pelo Parlamento, onde o partido oficialista - que poderá definir um outro sucessor durante seu congresso, no fim de setembro - domina 546 dos 547 assentos. Observadores políticos afirmam que Desalegn enfrentará uma dura disputa para conseguir permanecer no cargo. As Forças Armadas da Etiópia declararam lealdade à Constituição e prometeram defendê-la na era pós-Zenawi.

ADIS-ABEBA, O Estado de S.Paulo

22 de agosto de 2012 | 03h02

A morte do primeiro-ministro ocorreu em um hospital de Bruxelas, confirmando os rumores de que ele enfrentava uma grave enfermidade. A doença que o matou não foi revelada pelo governo.

Enquanto a Casa Branca lamentou a "perda prematura" do premiê, opositores do líder comemoraram a morte de um "tirano", que há 22 anos tomou o poder de uma junta militar. / REUTERS e AP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.