Morte de professor de Oxford choca a universidade

A Universidade de Oxford, na Grã-Bretanha, estava em estado de choque nesta sexta-feira quando um astrofísico proeminente foi encontrado morto e um professor de matemática foi preso sob suspeita de seu assassinato.

ESTELLE SHIRBON, REUTERS

13 de janeiro de 2012 | 11h47

O corpo do professor Steven Rawlings, de 50 anos, foi encontrado na noite de quarta-feira na casa do dr. Devinder Sivia, de 49 anos, depois que um vizinho chamou a polícia para comunicar o incidente.

"A comunidade univesitária inteira está profundamente entristecida e chocada com a trágica e inesperada morte do professor Steve Rawlings", disse o vice-chanceler de Oxford, Andrew Hamilton, um dos dirigentes da universidade.

Sivia foi detido na noite de quarta-feira e solto sob fiança nesta sexta-feira de manhã. Ele permanecerá em liberdade até 18 de abril. Segundo a polícia, esse prazo é necessário porque a autópsia realizada no corpo de Rawlings foi inconclusiva, por isso serão necessários novos exames.

Sivia é um professor de matemática para alunos de ciências no Saint John's, uma das 38 faculdades que constituem a universidade.

"A faculdade está chocada e angustiada com esse evento trágico", disse Michael Scholar, presidente da Saint John's.

"Nós podemos confirmar que os dois indivíduos envolvidos eram amigos havia 30 anos", disse a polícia em um comunicado.

Uma autópsia feita no corpo de Rawlings na quinta-feira foi inconclusiva, segundo a polícia, em comunicado. "Ä polícia está investigando todas as circunstâncias que podem ter conduzido a isso".

Rawlings trabalhava em outra faculdade da Oxford, a Saint Peter's. Ele lecionava cálculo vetorial para universitários de primeiro ano em cursos de graduação e foi o chefe do departamento de astrofísica de Oxford entre 2006 e 2010.

"Ele era um professor muito admirado e querido dentro da faculdade e sentiremos muito a sua falta", disse Mark Damazer, mestre de Saint Peter's, em comunicado.

Tudo o que sabemos sobre:
GERALOXFORDPROFESSOR*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.