Morte em Nagasaki está ligada à indenização não paga

O assassino do prefeito de Nagasaki visitou escritórios públicos antes do crime mais de 30 vezes em busca de indenização por um dano causado em seu carro após ele passar por uma fossa, informou a mídia japonesa nesta quinta-feira, 19.O prefeito Iccho Ito, de 61 anos levou dois tiros nas suas costas em uma estação de trem na última terça-feira à noite e morreu horas depois. Tetsuya Shiroo, membro do sindicato de crimes do Japão, conhecido por Yamaguchi-gumi, foi capturado na cena do crime e assumiu o assassinato.A polícia acredita que Shiroo alimentou sentimentos contra o prefeito por ele não liberar o dinheiro para consertar seu carro, segundo reportagem dos jornais japoneses Asahi e Yomiuri.Investigadores disseram inicialmente pediu US$ 5.060 para conserto. No entanto, após alguns dias ele aumentou o pedido para cerca de US$ 23 mil, e então o prefeito cancelou a negociação.Shiroo também enviou uma carta à TV Asahi para protestar por um recente escândalo financeiro envolvendo Ito, que incluía contas secretas e contratos de obras públicas, segundo a agência Kyodo.MorteApós uma operação de emergência que durou cerca de quatro horas, o prefeito foi mantido vivo por algum tempo por meio de um coração artificial, mas morreu às 2h28 locais de quarta-feira (14h28 de terça em Brasília) por causa da perda de sangue.Médicos disseram que uma das balas havia atingido seu coração. Imagens de TV mostravam o prefeito deitado na calçada enquanto paramédicos administravam a ressuscitação cardiopulmonar."Espero que a verdade seja revelada por meio de intensas investigações", disse o primeiro-ministro Shinzo Abe, segundo a Kyodo. Ito pertencia ao governista Partido Liberal Democrata e buscava um quarto mandato como prefeito.O Japão tem estritas leis de controle de armas, que em sua maioria estão nas mãos de grupos criminosos como os membros da máfia japonesa Yakuza. Esse tipo de ataque é relativamente raro no Japão, considerado um dos países mais seguros do mundo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.