Morte seria mais um duro golpe para a guerrilha

Caso se confirme, a morte do líder máximo das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc), conhecido como ''Tirofijo'', será mais um da lista de duros golpes que a guerrilha tem sofrido nos últimos meses. Em 1º de março, o ''número 2'' das Farc, Raúl Reyes, morreu durante um ataque aéreo colombiano. Reyes estava num acampamento das Farc no Equador. Uma semana depois, Iván Rios, outro membro da cúpula das Farc, foi assassinado pelo chefe de sua segurança, Pedro Pablo Montoya. O guerrilheiro entregou às autoridades uma das mãos do comandante e recebeu uma recompensa de US$ 2,7 milhões pelo assassinato.Na segunda-feira, Nelly Ávila Moreno, conhecida como ''Karina'' e considerada uma das mais violentas dirigentes do grupo, entregou-se às autoridades. Ela disse ter desertado porque passava fome na selva, estava desmotivada e cansada.O governo do presidente Álvaro Uribe tem intensificado a pressão sobre a guerrilha para forçar rebeldes a desertarem e delatarem seus superiores. Contando com a assistência técnica e treinamentos dos EUA - por meio do Plano Colômbia -, comandantes do Exército acreditam ter condições de romper o impasse militar de mais de quatro décadas e impor uma derrota definitiva à guerrilha. ''Há poucas opções para a guerrilha, pelo menos enquanto Uribe estiver no poder. Por enquanto, a solução negociada, com anistia e reinserção de guerrilheiros, está fora de cogitação'', disse o jornalista colombiano especialista em temas da guerrilha, Darío Castríllon, em recente entrevista ao Estado.A imagem internacional das Farc também tem sido prejudicada pelos relatos dos reféns libertados neste ano sobre as condições de vida no cativeiro.AS BAIXAS DAS FARCNegro Acacio1/9/2007Responsável pelo negócio das drogas, é morto pelo Exército Martín Caballero 25/10/2007 Exército mata guerrilheiro acusado de extorsão, assassinato e seqüestro Martín Sombra27/2/2007Autoridades prendem um dos mais antigos líderes da guerrilhaRaúl Reyes1/3/2008Ataque aéreo em território equatoriano mata o número 2 das FarcIván Rios3/3/2008Foi morto por um camarada, que embolsou uma recompensa de US$ 2,7 milhõesNelly Ávila18/3/2008Conhecida como ''Karina'', rendeu-se ao governo no domingo

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.