Ali Jarekji/Reuters
Ali Jarekji/Reuters

Morteiros matam 21 em campo de refugiados na Síria

Pouco antes do ataque, moradores protestaram contra o regime, elogiando os opositores

AE, Agência Estado

03 de agosto de 2012 | 08h50

BEIRUTE - Em meio a combates entre rebeldes e forças do regime, morteiros atingiram um mercado lotado dentro de um campo de refugiados palestinos na capital da Síria, Damasco, e mataram 21 pessoas, disseram ativistas nesta sexta-feira, 3.

Veja também:

linkAnnan deixa posto de mediador da ONU e solução pacífica para Síria fica distante

linkAnnan diz que renuncia por 'impossibilidade de acordo político'

forum CURTA NOSSA PÁGINA NO FACEBOOK

O Observatório Sírio para Direitos Humanos, baseado em Londres, reportou que as bombas caíram no acampamento Yarmouk na quinta-feira, quando consumidores estavam comprando comida para o jantar. O grupo não quis especular sobre quem foi o autor dos disparos.

"Nós não sabemos de onde vieram os morteiros, se foram ou não do regime sírio", afirmou Rami Abdul Rahman, diretor do Observatório. Ele acrescentou que a matança pode ter sido causada pelos confrontos no bairro vizinho de Tadamon, periferia sul de Damasco.

A agência de notícias estatal pôs a culpa em "terroristas mercenários" (como o governo chama os rebeldes) e disse que as forças de segurança os expulsaram.

Tropas do regime do presidente Bashar Assad, entretanto, no passado já atacaram o campo de refugiados, onde vivem quase 150 mil palestinos e seus descendentes, que foram expulsos de suas casas na guerra ocorrida durante a criação de Israel, em 1948. Os palestinos na Síria tentam ficar de fora da revolução, que já dura 17 meses, mas com Yarmouk localizado entre bairros simpáticos aos rebeldes, seus residentes foram arrastados para a luta.

Os habitantes mais jovens do campo de refugiados juntaram-se aos protestos contra Assad - e viram alvos quando forças do governo atiram nos manifestantes. Pouco antes do ataque com morteiros, moradores protestaram contra o regime, gritando slogans contra Assad e elogiando os opositores do Exército Livre Sírio.

As informações são da Associated Press

 

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.