Mortes em Hama chegam a 200 desde domingo, dizem ativistas

Exército da Síria matou cem só nas últimas 24 horas; situação humanitária da cidade é precária

estadão.com.br

04 de agosto de 2011 | 17h30

BEIRUTE - As Forças Armadas da Síria mataram mais de cem pessoas na cidade de Hama, no oeste do país, nas últimas 24 horas, informaram ativistas nesta quinta-feira, 4, ao jornal americano The New York Times. Assim, passa de 200 o número de vítimas da repressão do regime de Bashar Assad contra os manifestantes pró-democracia desde domingo.

 

Leia mais:

blog CHACRA: Assad sofre resistência por ser 'brando'

especialInfográfico: A revolta que abalou o Oriente Médio

 

 
Saleh al-Hamawi, ativista do Comitê de coordenação local, que ajuda a organizar e a documentar os protestos, disse que os militares voltaram a disparar contra manifestantes em Hama nas primeiras horas da quinta-feira e alertou para a situação humanitária na cidade. "Estamos enfrentando uma crise de alimentos e equipamentos médicos. Não temos vegetais e farinha, as pessoas estão pedindo comida aos seus vizinhos", afirmou.

 

A situação tem se deteriorado em Hama desde domingo, quando teve início a intensa repressão das tropas do governo contra as manifestações contrárias ao governo de Assad. O episódio é um dos mais violentos já registrados na síria desde que começou a revolta contra o regime de Assad, em março deste ano. Ativistas dizem que mais de 1.700 pessoas morreram desde então.

 

Além da violência, Hama também sofre com a cortes nos serviços de telefonia, internet, eletricidade e distribuição de água há dois dias. É possível entrar em contato com a cidade apenas por aparelhos de comunicação via satélite. A população teme que o Exército possa promover um massacre sem precedentes caso o local fique sem qualquer linha de comunicação. Mais de mil famílias já deixaram a cidade.

 

Enquanto isso, a mídia estatal síria evita falar da situação em Hama e apenas menciona as tentativas de Assad de promover o diálogo político com a oposição. Nesta quarta, o presidente assinou um decreto nesta quinta-feira autorizando a adoção de um sistema multipartidário no país, o que foi considerado uma piada pelos opositores.

 

Veja também:

linkAssad pode ter um 'triste fim', diz Medvedev

linkSob pressão, Síria autoriza sistema multipartidário

linkONU aprova crítica branda a Damasco, como queriam Brasil e emergentes

linkApós 6 meses, 'Primavera Árabe' vive de violência e incertezas

linkPara Patriota, declaração foi melhor medida possível

lista A nova lei de Hama feita pelos sírios

documento Síria evita encontro de primeiro escalão com missão do Ibas

 

Na quarta-feira, o Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas (ONU) condenou - por meio de uma declaração presidencial, mais branda do que uma resolução - a violência das forças de segurança de Damasco. O órgão máximo das Nações Unidas também pediu aos manifestantes que evitem ataques contra alvos do governo, como queriam países emergentes, entre eles o Brasil.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.