Mortes em ofensiva de Israel em Gaza já passam de 130

Ataques aéreos israelenses contra o Hamas em Gaza atingiram uma mesquita e um centro para pessoas com deficiência, provocando a morte de duas mulheres. O número de mortes entre os palestinos desde o início da ofensiva já chega a 135, conforme autoridades palestinas.

AE, Agência Estado

12 Julho 2014 | 10h26

As Forças Armadas israelenses disseram que a mesquita escondia foguetes como os que foram utilizados em disparos militantes de Gaza contra Israel em resposta à ofensiva de cinco dias. Os militares disseram ainda que investigam alegações sobre os outros locais atingidos.

Em Israel, o fluxo contínuo de foguetes não provocou nenhuma morte. O porta-voz do Ministério da Saúde de Gaza Ashraf al-Kidra ressaltou que ataques israelenses durante a noite elevaram o número de mortos a mais de 130, com mais de 920 feridos.

Neste sábado, a ofensiva não mostrava sinais de desaceleração. O ministro da Defesa de Israel, Moshe Yaalon, disse que o país deve se preparar para mais dias de confronto. "Vamos continuar punindo o Hamas até o retorno da calma e segurança para o sul de Israel e o resto do país", disse Yaalon após reunião com autoridades de segurança.

O Hamas acusa Israel de atingir mais de uma mesquita com os ataques. "O bombardeio de duas mesquitas em Gaza durante a madrugada mostra quão bárbaro é esse inimigo e quão hostil é ao Islã", disse Husam Badran, porta-voz do Hamas em Doha, no Qatar. "Esse terrorismo nos dá o direito de ampliar as respostas para deter esse ocupante."

As Forças Armadas israelenses divulgaram uma imagem aérea da mesquita que dizem ter atingido, argumentando que o Hamas escondeu foguetes nela e perto de outro local religioso e de casas de civis. "Os terroristas do Hamas exploram de forma sistemática e escolhem colocar os palestinos em Gaza no caminho do perigo e continuam colocando as suas posições entre áreas civis e mesquitas, provando mais uma vez o seu desprezo pela vida humana e pelos locais sagrados", disse o tenente-coronel Peter Lerner, porta-voz militar israelense.

As Forças Armadas de Israel dizem ter atingido mais de 1.100 alvos, incluindo lançadores de foguetes, centros de comando e de fabricação de armas e instalações de armazenamento. No entanto, as autoridades de Gaza argumentam que os ataques também atingiram instituições de caridade e bancos, bem como casas para pessoas com deficiência e mesquitas. O "Domo de Ferro", sistema de defesa de Israel, interceptou mais de 130 foguetes disparados contra o país. / ASSOCIATED PRESS

Mais conteúdo sobre:
Israel gaza ofensiva mortes mesquita centro

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.