Mortes em ofensiva de Israel em Gaza passam de 800, dizem palestinos

Últimos ataques do Exército isralense tiveram como alvos casas de líderes do Hamas e da Jihad Islâmica em Rafah e em Khan Younis

O Estado de S. Paulo

25 de julho de 2014 | 08h51

GAZA -  O Ministério da Saúde de Gaza elevou nesta sexta-feira, 25, o número de mortos na operação militar de Israel, que já dura 18 dias, para 813, enquanto os feridos chegam a 5.237, depois dos últimos bombardeios do Exército israelense no território palestino.

As residências de dirigentes e membros do Hamas e da Jihad Islâmica  foram os alvos dos últimos ataques do Exército israelense Segundo o porta-voz do Ministério da Saúde em Gaza, Ashraf al-Quedra, entre os mortos nos últimos ataques está o líder local da Jihad Islâmica, Abu Ahmed Abu Hasanin, e dois de seus filhos, depois que sua casa na cidade de Rafah, no sul da Faixa de Gaza, foi atingida por mísseis disparados de caças israelenses, um ataque que também deixou dez feridos.

Além disso, caças-bombardeiros israelenses dispararam vários mísseis contra a residência do destacado dirigente do Hamas, Salah al Bardawil, ao leste da cidade de Khan Younis, no extremo sul do território palestino, mas sem deixar feridos. O Exército israelense confirmou que atacou nas últimas horas as casas de vários dirigentes em Gaza, de acordo com a rádio pública israelense.

O Escritório da ONU para a Coordenação de Assuntos Humanitários (OCHA, na sigla em inglês) apontou em um relatório que pelo menos 578 civis estão entre os mortos em Gaza nos 18 dias da operação israelense, entre eles 185 crianças e 93 mulheres.

A OCHA detalhou que mais de 40 famílias na Faixa de Gaza perderam ao menos três membros e que 149 mil deslocados buscaram refúgio em 83 escolas da Agência das Nações Unidas para os Refugiados Palestinos (UNRWA, na sigla em inglês).

Além disso, relatou que a única usina de eletricidade da Faixa de Gaza foi alvo de três bombardeios e o último deles provocou seu fechamento. Durante a operação em Gaza, já morreram 36 israelenses, dois deles civis e o restante militares, além de um cidadão tailandês. / EFE

Tudo o que sabemos sobre:
HamasIsraelFaixa de Gaza

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.