Alberto Pezzali/Pool via Reuters
Alberto Pezzali/Pool via Reuters

Mortes por covid-19 na Inglaterra serão duas vezes pior se não agirmos agora, diz Boris Jonhson

Primeiro-ministro britânico anunciou novo lockdown no sábado, que deve durar até 2 de dezembro; Reino Unido é o quinto país do mundo com mais óbitos por causa do novo coronavírus

Redação, O Estado de S.Paulo

01 de novembro de 2020 | 20h50

O primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, dirá nesta segunda-feira, 2, que não há alternativa para conter a pandemia do novo coronavírus na Inglaterra a não ser o lockdown. De acordo com o escritório do premiê, ele informará, ainda, que uma segunda onda da covid-19 poderá ser duas vezes mais grave em termos de mortes se o país não agir neste momento. Enquanto isso, legisladores se preparam para votar medidas que visam frear essa nova onda.

"Modelos (estatísticos) de nossos cientistas sugerem que, a menos que ajamos agora, poderemos ver mortes até o inverno que são duas vezes piores ou mais do que a primeira onda", espera-se que Johnson diga. "Confrontado com esses últimos números, não há alternativa senão tomar novas medidas a nível nacional."

Depois de resistir por mais de um mês a apelos para um novo lockdown em todo o país, Johnson anunciou no sábado, 31, que as restrições vão começar à meia-noite do dia 4 de novembro. A medida deve durar até 2 de dezembro.

O Reino Unido, que tem o maior número oficial de mortes de covid-19 na Europa, está lidando com mais de 20 mil novos casos por dia. Cientistas alertaram que o pior cenário possível de 80 mil mortos pode ser excedido no inverno.

Segundo contagem da Universidade Johns Hopkins, o Reino Unido é o nono país no mundo com mais casos confirmados do novo coronavírus, com 1.038.054 infecções registradas. Porém, em número de mortos, é a quinta nação mais afetada, com 46.807 óbitos no total.

Lojas essenciais, escolas e universidades permanecerão abertas, mas bares e restaurantes serão fechados, sendo liberado apenas para o serviço de take away (retirada no local). Viagens internacionais serão desencorajadas, exceto para trabalho, e o varejo não essencial será fechado. Os legisladores vão votar essas medidas na quarta-feira e o Partido Trabalhista de oposição ofereceu apoio.

O resto do Reino Unido - Escócia, País de Gales e Irlanda do Norte - têm suas próprias políticas de lockdown e promulgaram restrições de saúde mais duras no mês passado. O ministro do Gabinete, Michael Gove, disse neste domingo, 1º, que o bloqueio na Inglaterra pode ser estendido para além de 2 de dezembro se necessário, mas Johnson dirá aos legisladores que uma extensão não fazer parte do plano. /Reuters

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.