Marcos Pin/EFE
Marcos Pin/EFE

Mortes triplicaram em 15 dias em Guayaquil por crise sanitária

Cidade é o epicentro da pandemia no Equador e uma das cidades mais castigadas pela doença na América Latina.

Redação, O Estado de S.Paulo

16 de abril de 2020 | 21h56

QUITO - As mortes triplicaram nos últimos 15 dias na província de Guayas e em sua capital, Guayaquil, a região mais afetada pela pandemia do novo coronavírus no Equador, informou nesta quinta-feira, 16, um alto funcionário.

Antes do início da epidemia, em Guayas (sudoeste) se registrava uma média de 2 mil mortes por mês, mas só na primeira quinzena de abril, houve 6.703 mortes, disse Jorge Wated, o funcionário designado pelo governo para atender parte da crise na província.

Entre estes 6.703 falecidos há vítimas do novo coronavírus, casos suspeitos e também mortos por causas naturais, disse o funcionário, que não revelou o percentual de óbitos relacionados com a pandemia.

Guayas concentra 70% dos mais de 8,2 mil casos de coronavírus registrados até esta quinta-feira no Equador, incluindo 403 mortos.

Deste total, 4.353 infectados foram registrados em Guayaquil, epicentro da pandemia no país e uma das cidades mais castigadas pela doença na América Latina.

Nesta cidade portuária, com 2,7 milhões de habitantes e capital econômica do país, muitas pessoas perderam a vida esperando atendimento em hospitais ou em residências.

Ao colapso do sistema de saúde seguiu-se o do sistema funerário, levando famílias a passar vários dias com os corpos em casa antes de o governo ativar uma força militar e policial para recolher os cadáveres. 

O toque de recolher imposto pelo governo para tentar deter a propagação da covid-19 retardou o trabalho das funerárias que, em alguns casos, deixaram de prestar o serviço por medo de que seus funcionários fossem contaminados.

Wated destacou no domingo que a força-tarefa conjunta conseguiu retirar cerca de 1,4 mil cadáveres nas últimas três semanas, 800 deles de casas e o restante em hospitais, para sepultá-los.

"Ainda temos quase 700 pessoas que queremos sepultar entre esta semana e no máximo a próxima. Vamos fazendo pouco a pouco", disse o funcionário nesta quinta./AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.