Mortos em ataque de milícia islâmica na Nigéria já passam de 100

Milícia responsável por atentados em cidade no nordeste do país com bombas e tiros promete mais ataques.

BBC Brasil, BBC

05 de novembro de 2011 | 21h24

Uma série de ataques com bombas e disparos de armas deixou pelo menos 100 mortos em Damaturu, cidade no nordeste da Nigéria.

As testemunhas afirmaram que as bombas atingiram vários alvos na cidade, incluindo igrejas e a sede da polícia do Estado de Yobe, onde fica Damaturu.

Segundo Jonah Fisher, correspondente da BBC na capital comercial da Nigéria, Lagos, os disparos ocorreram durante a noite toda e muitos moradores de Damaturu teriam fugido.

O grupo islâmico Boko Haram assumiu a autoria dos atentados e fez ameaças, dizendo que eles vão lançar novos ataques.

Um porta-voz da Cruz Vermelha afirmou que a maioria dos mortos estava em prédios do governo, atingidos por homens-bomba.

A violência começou na sexta-feira, quanto uma série de ataques atingiu bases militares na cidade de Maiduguri, a cerca de 80 quilômetros mais a leste, no Estado vizinho de Borno.

Centenas de feridos

O Boko Haram também foi responsabilizado por esse ataque. O grupo, cujo nome significa "educação ocidental é proibida", já fez vários ataques contra a polícia e autoridades do governo.

O correspondente da BBC em Lagos afirma que a polícia informou que os ataques em Damaturu pegaram a cidade de surpresa e eles ainda estão tentando determinar o número de feridos.

Uma autoridade do governo em Damaturu, que não foi identificada, teria dito à agência de notícias AFP que centenas de feridos estão sendo atendidos no hospital da cidade.

Um padre de uma igreja católica da cidade informou ao correspondente da BBC que sua igreja foi queimada e outras oito igrejas também foram atacadas. BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Tudo o que sabemos sobre:
topnigériaataquedamaturu

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.