Mortos em ataque suicida no Afeganistão sobem para 50

O número de mortos de um ataque suicida realizado no domingo, na província afegã de Paktika, subiu para pelo menos 50. A ação aconteceu durante o jogo final de um torneio interdistrital de vôlei na região leste do país, que faz fronteira com o Paquistão, e teve a polícia local como alvo.

PRISCILA ARONE, COM INFORMAÇÕES DA ASSOCIATED PRESS, Estadão Conteúdo

24 de novembro de 2014 | 09h25

Segundo o porta-voz do governo provincial, Mokhlis Afghan, 42 pessoas morreram imediatamente. Sessenta e três ficaram feridas. Trata-se do pior ataque insurgente do ano no país.

Seddiq Sediqqi, porta-voz do Ministério do Interior, disse que dentre os mortos há dez integrantes da força policial local, dentre eles um comandante. Segundo ele, 53 feridos foram transportados de helicóptero durante a noite para Cabul. Dentre eles há 17 crianças com idades entre 8 e 14 anos.

Testemunhas disseram que o suicida se aproximou do comandante de polícia e apertou sua mão antes de gritar "Allahu Akbar" (Deus é maior). Em seguida, detonou os explosivos.

Nesta segunda-feira, dois soldados da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) foram mortos num ataque em Cabul. Uma bomba, colocada numa bicicleta, explodiu pouco antes das 9h. Segundo o porta-voz da polícia de Cabul, Hashmat Stanekzai, o explosivo foi detonado perto de um comboio militar, ferindo um civil.

A nacionalidade dos soldados não foi divulgada. A ação desta segunda-feira elevou para 63 o número de militares estrangeiros mortos no país, dos quais 46 eram norte-americanos.

Mais conteúdo sobre:
Afeganistãoataquevôleimortos

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.