Mortos em tremor no Afeganistão são 600 até agora

Funcionários humanitários espalharam-se, nesta quinta-feira, por vilarejos remotos devastados pelo forte terremoto desta semana, procurando mais vítimas nesta região desesperadamente pobre, já arrasada pela seca e pela guerra.Equipes de socorro se movimentam lentamente nas áreas remotas do norte e do sul do país, em virtude do temor de que os deslizamentos de terra provocados pelos freqüentes tremores possam ter deslocado as minas terrestres depositadas durante duas décadas de guerra.Trabalhadores humanitários temem que algumas estradas outrora consideradas seguras para os carregamentos de socorro possam agora ser perigosas. Abatido, o Afeganistão observou um dia nacional de luto pelas vítimas - mesmo enquanto luta para contar os mortos do terremoto da última segunda-feira. O tremor, cuja magnitude de 6.1 provocou grandes estragos em quase 80 vilarejos, numa região montanhosa que se espalha por um raio de 15 quilômetros, deixou cerca de 100 mil pessoas sem casa ou isoladas do fornecimento de comida. As Nações Unidas afirmaram que, nesta quarta-feira, o número de mortos havia subido para 600, mas o balanço final deve ficar entre 800 e 1.200.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.