Mortos por antraz já são três

Amostras de antraz foram localizadas hoje em um posto de correio de Washington responsável pela correspondência direcionada à Casa Branca. A notícia ampliou o temor da população da capital norte-americana sobre a dimensão do ataque bacteriológico na cidade, pois também hoje as autoridades confirmaram que dois funcionários do serviço postal na agência de Brentwood, mortos recentemente, foram mesmo vítimas de uma infecção causada por esporos da bactéria, conforme se suspeitava. No total, três pessoas morreram por causa da doença causada pela bactéria Os dois homens trabalhavam num setor que despachava cartas para o Congresso e tiveram contato com um envelope com antraz enviado para o gabinete do senador democrata Tom Daschle. Eles foram contaminados pelas vias respiratórias - a forma mais letal. Dois colegas deles - um homem e uma mulher - estão internados num hospital do vizinho Estado de Maryland. Na segunda-feira, as autoridades anunciaram que eles estavam em tratamento por terem sido contaminados, mas hoje a porta-voz do estabelecimento disse que os testes ainda não são conclusivos. Estado grave Um quinto caso de contaminação foi confirmado no Correio - o de uma funcionária de uma unidade na cidade de New Jersey. Ela inalou esporos da bactéria e está em estado grave. As autoridades revelaram que pode chegar a 16 o número de pessoas contaminadas, a maioria pelo contato com a pele, que é menos mortífero. Mas funcionários do setor de saúde em Washington disseram à TV ABC que estão se preparando para atender a dezenas de casos. A estimativa é que cerca de 3.400 empregados do Correio tenham de ser examinados e tomar antibióticos pelo menos por dez dias - para o caso de já estarem contaminados. O presidente dos EUA, George W. Bush, declarou que não se surpreenderia se a rede terrorista Al-Qaeda, dirigida por Osama bin Laden, for a responsável pelo envio de antraz pelo correio. "Não há dúvida que o antraz pelo correio é um ato terrorista. A Al-Qaeda é uma organização terrorista, portanto, não me surpreenderia", disse. Logo depois, porém, ele insistiu em que, por ora, não há evidência material que vincule a Al-Qaeda ao ataque bacteriológico. Bush também garantiu que ele "não foi contaminado por antraz", embora não tenha explicado se foi submetido a testes. Críticas O porta-voz da Casa Branca, Ari Fleischer, informou à imprensa que a bactéria foi encontrada em correspondência numa dependência do Correio exclusiva para a sede do governo e localizada em instalações militares situadas a alguns quilômetros de distância. O local foi fechado para testes e descontaminação. Diante de uma enxurrada de perguntas críticas da imprensa, Fleischer defendeu os dirigentes dos órgãos federais de saúde pelo fato de não terem determinado o isolamento da agência de Brentwood logo que o primeiro caso foi diagnosticado, mesmo sabendo que os funcionários do local haviam manuseado a correspondência enviada ao senador Daschle. O Congresso voltou a funcionar hoje pela primeira vez desde a constatação, na semana passada, de que 28 funcionários haviam sido expostos ao antraz - mas não contaminados - por meio da carta remetida a Daschle. No entanto, os edifícios que abrigam os escritórios dos congressistas permanecem fechados porque os peritos continuam realizando testes no ambiente. As autoridades podem decidir queimar uma pilha de correspondências porque provavelmente não será possível checar se estão contaminadas. Até agora três pessoas morreram por causa da doença causada pela bactéria; um fotógrafo que trabalhava para uma editora de jornais na Flórida e os dois funcionários do Correio em Washington. Os outros três empregados do Correio que inalaram antraz correm risco de vida. Seis pessoas contraíram a enfermidade na forma cutânea e estão sendo tratadas com antibióticos. Justiça O sindicato dos empregados nos correios no sul da Flórida ameaçou exigir por via judicial que todos os trabalhadores dos EUA no setor sejam submetidos a exames para detectar se foram expostos ao antraz. "Somos os primeiros a manipular a correspondência e os últimos a fazer os testes", justificou a presidente da entidade, Judy Johnson, lembrando que as pessoas estão "muito assustadas". Nos outros países, apesar de ainda serem registradas centenas de denúncias, apenas três casos de contaminação por antraz enviado pelo correio foram confirmados: no Quênia, na Argentina e nas Bahamas. A denúncia mais grave foi no Egito: um dos edifícios da embaixada americana no Cairo foi esvaziado hoje depois de descoberto um pó branco suspeito em suas dependências. O país abriga grupos fundamentalistas islâmicos extremistas vinculados à Al-Qaeda. Leia o especial

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.