Mortos por desmoronamento em Bangladesh passam de 600

Mais de 600 corpos foram retirados dos escombros do prédio de oito andares que desabou no dia 24 de abril, informou a polícia de Bangladesh neste domingo. Além de lojas, funcionavam no local cinco confecções de roupas. Os policiais disseram que 610 corpos foram recuperados, mais de 200 deles desde quarta-feira, quando as autoridades haviam dito que apenas 149 pessoas estavam desaparecidas.

AE, Agência Estado

05 de maio de 2013 | 11h28

O cheiro de corpos em decomposição permanece em meio aos escombros e ninguém sabe quantas vítimas ainda serão retiradas do local. O desastre deve se transformar no pior acidente da indústria de confecções já ocorrido, superando de longe o incêndio na fábrica Triangle Shirtwaist, em Nova York, que matou 146 trabalhadores em 1911.

Um arquiteto da empresa que fez o projeto do prédio disse neste domingo que ele não foi erguido para abrigar pesados equipamentos industriais, muito menos os três andares que foram posteriormente construídos ilegalmente.

Masood Reza, arquiteto da Vastukalpa Consultants, disse que o prédio foi projetado em 2004 como um shopping center e não para propósitos industriais. "Nós projetamos o prédio para ter três pisos com lojas e dois de escritórios. Não sei como os pisos adicionais foram acrescentados e como as fábricas receberam permissão para ocupar os andares mais altos", declarou Reza.

"Não me pergunte mais nada. Isso agora é uma questão sensível", disse Reza antes de desligar o telefone.

O governo havia prometido tornar a indústria de confecção mais segura, após um incêndio numa fábrica de roupas em novembro ter matado 112 pessoas. Foram prometidas inspeções de segurança nas confecções e o confisco das licenças das que não apresentassem boas condições, mas o projeto ainda tem de ser implementado.

A indústria de confecção de Bangladesh fornece para varejistas de todo o mundo e é responsável por cerca de 80% das exportações do país. O acidente levantou fortes dúvidas sobre as afirmações dessas empresas de que podem garantir condições seguras para os trabalhadores que fabricam suas roupas por meio da autorregulação.

Bangladesh é popular no ramo principalmente por causa da mão-de-obra barata. O salário mínimo de um trabalhador numa confecção é de US$ 38 por mês, depois de ter quase dobrado neste ano após violentos protestos dos trabalhadores. Segundo o Banco Mundial, a rende per capita em Bangladesh era de cerca de US$ 64 por mês em 2011. As informações são da Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
Bangladeshdesmoronamento

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.