Mortos por enchentes na Rússia passam de 100

Enchentes repentinas provocadas pelas pesadas chuvas que atingiram a região de Krasnodarsky Krai, a sudoeste da Rússia, mataram pelo menos 103 pessoas e afetaram cerca de 13 mil nos últimos dois dias, afirmaram autoridades neste sábado.

AE, Agência Estado

07 de julho de 2012 | 17h38

Do total de mortes, 92 foram registradas no distrito de Krymsk, onde nove vítimas estavam em um resort da cidade de Gelendzhik, no Mar do Norte. Outros dois mortos estavam no porto de Novorossiisk. "As chuvas foram muito fortes. Até semáforos foram arrancados", disse o porta-voz da polícia regional Igor Zhelyabin.

A área de Krasnodar, 1,2 mil km a sul de Moscou, é frequentemente atingida por chuvas sazonais. Mas o governador da região, Alexander Tkachev, disse que o desastre "foi um choque". "Ninguém se lembra de enchentes como estas em nossa história", afirmou, enquanto visitava as áreas alagadas, de acordo com a agência de notícias Itar-Tass. "Não ocorreu algo do tipo nos últimos 70 anos. Mais de 5 mil moradores foram atingidos."

As enchentes chegaram à área do resort de Gelendzhik no auge do período de férias. O enviado presidencial para a região, Vladimir Ustinov, disse que as perdas na área devem superar US$ 30 milhões.

As redes de televisão mostraram habitantes da zona rural em botes ou caminhando com a água na altura da cintura, em meio a carros e caminhos virados, ou buscando refúgio sobre telhados e árvores. Helicópteros evacuaram Krymsk, onde o nível da água atingiu 4 metros durante a noite.

O presidente da Rússia, Vladimir Putin, está recebendo atualizações constantes do centro de crises da região, segundo seu porta-voz. Mais de 1,5 mil pessoas do ministério de emergências do governo foram enviadas para ajudar as vítimas de enchentes e consertar os danos, de acordo com a TV estatal. Autoridades disseram que 7,1 mil crianças estavam em acampamentos de férias na região. As informações são da Dow Jones e da Associated Press.

Mais conteúdo sobre:
Rússiachuvasenchentesmortes

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.