Mortos por incêndios na Austrália passam de 170

As autoridades australianas continuavam ontem tentando combater uma série de incêndios no sul do país. Segundo fontes próximas às investigações, há indícios de que o fogo tenha sido criminoso e dois suspeitos foram presos.Alimentado por temperaturas altíssimas - principalmente nos Estados de Victoria e Nova Gales do Sul - e fortes ventos, o fogo tinha matado mais de 170 pessoas até ontem, além de ter devastado pelo menos 340 mil hectares.Dados oficiais indicam que mais de 750 imóveis foram destruídos, deixando mais de 1 mil pessoas desabrigadas. De acordo com a polícia, o número de mortos pode aumentar.Investigadores inspecionaram ontem áreas atingidas pelas chamas para começar a identificar os corpos encontrados. O Departamento de Defesa enviou uma equipe especial de 200 integrantes das forças de terra, mar e ar para participar das tarefas de contenção do fogo, que já contam com 3 mil bombeiros e milhares de voluntários.A polícia de Victoria afirmou que muitos dos incêndios podem ser criminosos e anunciou que tratará todos os lugares devastados pelas chamas como cenas de crime - mesmo que não tenha sido registrada nenhuma morte no local. Em Nova Gales do Sul, um homem de 31 anos e um jovem de 15 anos foram presos acusados de ter provocado dois focos de incêndio."O que se pode dizer sobre alguém assim?", perguntou, sem esconder a emoção, o primeiro-ministro australiano, Kevin Rudd. "Não há palavras para descrevê-los, são assassinos em série."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.