Mortos por ondas gigantes podem chegar a 100 mil, diz Cruz Vermelha

As mortes provocadas pelos tsunami no Oceano Índico já somam 77 mil e podem superar os 100 mil quando for conhecida as cifras em algumas ilhas que estão isoladas, disse hoje o diretor da Cruz Vermelha Peter Rees. "Não me surpreenderia se chegarmos aos 100 mil mortos quando soubermos o que se passou nas ilhas Andaman e Nicobar", afirmou. Segundo ele, os 77.828 mortos até agora incluem os países africanos da Tanzânia, Somália e Quênia.A ONU disse hoje que o número de mortos na região de Aceh, na Indonésia, pode chegar a 80 mil. Só na cidade de Meulaboh um terço da população pode ter morrido, o que significaria 40 mil mortos. No Sri Lanka o número de vítimas passa de 22 mil e pode chegar a 30 mil. O governo tailandês informou que mais de 4 mil pessoas ainda estão desaparecidas. O complexo turístico de Khao Lak, popular entre turistas estrangeiros, teve 90% da estrutura destruída.A Indonésia pediu hoje ao Banco Asiático de Desenvolvimento e ao Banco Mundial US$ 3 bilhões para reconstruir Aceh. Os EUA aumentaram a ajuda de US$ 15 milhões para US$ 35 milhões. O presidente norte-americano, George W. Bush, falará hoje sobre a tragédia.ONU aponta para mais um perigo: o da poluição em massa que pode ser causada na Ásia. O desastre natural poderá se tornar também uma grande catástrofe para o meio ambiente. Ondas teriam atingido fabricas de produtos químicos e tanques de combustíveis, que estão sendo despejados em rios da região. Uma equipe internacional de químicos chega hoje a Tailândia para avaliar a situação da poluição, que poderá levar anos para ser controlada.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.