Mortos por tsunami em ilhas do Pacífico passam de 100

Samoa emite 2º alerta para risco de ondas gigantes; Obama declara zona de catástrofe na Samoa americana

estadao.com.br,

30 de setembro de 2009 | 07h46

Tremor de 8,3 criou ondas de 4,5 m que destruíram aldeias inteiras nas ilhas Samoa. Foto: Reuters

 

PAGO PAGO - O número de mortes após o forte terremoto e o tsunami que atingiram o Pacífico Sul deve passar de 100, segundo informações de autoridades. As ondas gigantes, provocadas após o tremor de  8,3 graus na escala Richter, deixaram pelo menos 77 mortos no arquipélago de Samoa, 24 em Samoa Americana, e pelo menos seis em Tonga. Um segundo alerta de tsunami chegou a ser emitido nesta madrugada (hora de Brasília)

 

 

Veja também:

Forte terremoto atinge a Indonésia e causa alerta de tsunami

 

Autoridades de Samoa afirmaram que aldeias inteiras foram destruídas e milhares de pessoas ficaram desabrigadas em Samoa Americana - que é território dos EUA. O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, declarou zona de catástrofe no território e ordenou ajuda federal para suplementar os esforços locais de recuperação na área atingida.

 

Outras dezenas de pessoas estão desaparecidas e supostamente mortas, mas as autoridades das três ilhas disseram que as comunicações para muitos vilarejos distantes foram interrompidas. O subdiretor do centro, Ausegalia Mulipola, disse ao canal australiano "ABC" que os serviços de resgate começaram a buscar corpos e sobreviventes, embora a tarefa seja difícil por grande parte do sistema de telecomunicações estar danificado.

 

O governo australiano informou que dois cidadãos do país, uma menina de seis anos e uma mulher de 50, morreram em Samoa e outras seis pessoas estão desaparecidas. Na Samoa Americana, pelo menos 24 pessoas morreram e 50 ficaram feridas. Em Tonga, funcionários do governo disseram que houve seis mortos e quatro desaparecidos na pequena ilha de Niuatoputapu. Os funcionários voaram sobre a ilha a partir da capital, Nuku'alofa, mas não conseguiram pousar por causa da destruição dos campos de pouso. Eles disseram que fariam nova tentativa à noite, pelo mar, para avaliar a extensão dos danos.

 

Na Samoa Americana, a cerca de 100 quilômetros de Samoa, o diretor de Segurança Nacional, Michael Sala, disse que a maior parte dos estragos foi provocada pelo tsunami que chegou à ilha cerca de 20 minutos depois do terremoto. A parede de água, cuja altura ele estimou em 7,5 metros, avançou terra adentro demolindo edifícios. A parte oriental da Samoa Americana ficou sem água e energia após o abalo.

 

O tremor de magnitude de 8,3 na escala Richter ocorreu por volta de 7h40 da manhã desta quarta-feira no horário local (15h40 em Brasília na terça-feira), criando ondas de 4,5 m de altura em várias áreas da região ao redor das ilhas. O epicentro do terremoto foi localizado a 190 km ao sudoeste do arquipélago, a 33 km de profundidade. Um alerta geral de tsunami tinha sido divulgado em todo o Pacífico Sul, mas foi cancelado mais tarde.

 

Pequenas ondas de tsunami chegaram nesta quarta-feiraàs praias do Japão, a milhares de quilômetros de distância. As ondas de cerca de 10 centímetros atingiram as ilhas ao sul de Tóquio e o litoral norte da ilha de Honshu, umas principais do arquipélago japonês, de acordo com a agência meteorológica. A agência havia emitido um alerta de tsunami prevendo que ondas de até 50 centímetros chegariam às praias do Japão no Pacífico. O alerta foi suspenso seis horas depois de emitido.

 

Arquipélago no Pacífico

 

A capital Pago Pago foi atingida por uma onda de 1,5 metro, que avançou cerca de 90 metros em terra, deixando um mar de lama e destroços. O fornecimento de energia foi cortado, assim como as linhas telefônicas. Houve relatos de saques a supermercados em Pago Pago.Em Fagatogo, a água atingiu estradas e provocou deslizamento de pedras.

 

Vilarejos em Samoa - distante 200 quilômetros da Samoa Americana - também sofreram com o tsunami. "Foi muito rápido. O vilarejo foi completamente varrido", disse o neozelandês Graema Ansell, que estava em Sau Beach Fale e conseguiu escapar correndo para uma montanha perto da capital, Ápia. "Não há um prédio sequer de pé. Todos nós estamos nas montanhas, alguns estão feridos."

 

"De repente, tudo foi caindo no chão e pensamos que a casa cairia também. Graças a Deus, ela não caiu. Vi casas e árvores tremendo", disse Sulili Dusi, acrescentando que carros foram levados pelas ondas.

 

O Instituto Geológico dos EUA e o Centro para Alertas do Pacífico emitiram alertas de tsunami para praticamente todas as ilhas da região, incluindo Fiji, Nova Zelândia e Polinésia Francesa, além de deixar em alerta Havaí, Vanuatu, Nova Caledônia, Papua-Nova Guiné, entre outras. Tonga registrou ondas de 4 metros, mas não havia informações sobre danos ou vítimas.

 

Os Estados Unidos anunciaram que estavam enviando uma equipe de emergência para a Samoa Americana, onde o governador Togiola Tulafono estava tendo dificuldades para obter informações sobre os danos causados pelo tsunami. Segundo o especialista em tsunami Brian Atwater, do Centro de Pesquisa Geológica, em Seattle, o terremoto e o tsunami foram de grande intensidade, mas não na mesma escala do tsunami de 2004 que deixou mais de 220 mil mortos em 11 países na Ásia e África um dia após o Natal.

Tudo o que sabemos sobre:
SamoaTsunami

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.