Moscou: 2 funcionários do metrô são detidos

Investigadores detiveram nesta quarta-feira dois funcionários do metrô de Moscou sob suspeita de envolvimento no acidente ocorrido no dia anterior, que deixou 22 mortos e 136 feridos, além de fornecer a primeira explicação oficial para fato.

Agência Estado

16 de julho de 2014 | 09h21

Mais de 1.100 pessoas foram retiradas do metrô na terça-feira após três vagões terem descarrilado, pouco depois das 8h30 (horário local) entre as estações Park Pobedy e Slavyansky Bulvar, informaram autoridades russas. Oito pessoas ainda estão em estado grave.

A principal agência de investigações russa informou em comunicado nesta quarta-feira que deteve o supervisor sênior de manutenção de via e um assistente de manutenção de via.

Segundo os investigadores, um novo sistema de troca de trilhos no local onde o trem descarrilou não foi devidamente instalado durante obras de reparo realizadas em maio e foi amarrado aos trilhos apenas por um arame de 3 milímetros de espessura. Há uma outra linha de metrô em construção nas proximidades e o sistema de troca de trilhos deveria direcionar os trens para o novo túnel, assim que a linha for inaugurada.

Os dois homens foram interrogados e os investigadores preparavam as acusações contra eles, informou o porta-voz do comitê investigativo, Vladimir Markin. Segundo ele, Valery Bashkatov, o supervisor, e Yury Gordov, o assistente, "serão indiciados e encarcerados" em breve.

Nos últimos meses, funcionários do metrô têm reclamado do declínio nos padrões de segurança no sistema.

O governo da capital realiza uma grande expansão do sistema de metrô na cidade, que transporta 9 milhões de passageiros por dia. Foram inaugurados 25 quilômetros de novos trilhos subterrâneos e abertas 12 novas estações entre 2011 e 2013, parte de um enorme programa de investimentos liderado pelo prefeito Sergei Sobyanin, que tem o apoio do Kremlin.

Na medida em que a capital russa se estende para os subúrbios, autoridades anunciam planos de aumentar o sistema de metrô para 474,4 quilômetros de trilhos e 265 estações até 2020, dos atuais 325 quilômetros e 194 estações.

O metrô de Moscou é um dos mais famosos do mundo por ter chão de mármore e ser decorado com lustres extravagantes e estátuas de heróis soviéticos. O meio de transporte foi ideia do governo do líder socialista soviético Joseph Stalin num momento em que muitas famílias moscovitas tinham de dividir apartamentos em razão da falta de moradia. O metrô de Moscou começou a funcionar em 1935. Fonte: Associated Press e Dow Jones Newswires.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.