Moscou amplia restrição à venda de bebidas alcoólicas

Bebidas mais fortes não poderão ser vendidas em lojas das 22h às 10h, em tentativa de diminuir o alcoolismo.

BBC Brasil, BBC

18 de agosto de 2010 | 17h54

A prefeitura de Moscou anunciou nesta quarta-feira a ampliação da proibição de venda em lojas de bebidas com teor alcoólico superior a 15% das 22h até as 10h, em uma tentativa de reduzir a incidência de alcoolismo na população.

Até agora, Moscou vinha proibindo a venda de bebidas com mais de 15% de álcool entre 23h e 8h do dia seguinte, mas a lei possuía uma brecha que permitia que as lojas vendessem o produto livremente durante todo o dia e a noite, desde que recebessem uma permissão das autoridades.

As novas regras, que valem a partir de primeiro de setembro, liberam a venda de bebidas como cerveja e vinho, bebidas com menos álcool, mas restringe a comercialização de destilados como vodka e conhaque. Bares, hotéis e casas noturnas não são afetados pela nova proibição.

Recentemente, o governo do presidente Dmitry Medvedev instituiu uma política de tolerância zero com motoristas embriagados, para tentar diminuir o número de acidentes.

Diminuir consumo

O governo estabeleceu também um preço mínimo para a vodka para combater o mercado ilegal do produto, responsabilizado pela morte de milhares de russos anualmente por oferecer bebidas fora de especificações de segurança.

Calcula-se que o abuso do álcool mate cerca de meio milhão de russos anualmente e reduza a expectativa de vida masculina do país a níveis inferiores aos de países mais pobres, como Bangladesh.

O governo russo anunciou a meta de diminuir o consumo alcoólico pela metade até 2020, além de combater a produção ilegal do produto.

O consumo médio per capita de álcool na Rússia é de 18 litros anuais, mais do que o dobro do limite recomendável pela Organização Mundial de Saúde.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.